"Estamos em cima de um barril de pólvora que um dia vai explodir" - Plataforma Media

“Estamos em cima de um barril de pólvora que um dia vai explodir”

Engenheiro especializado em sismos e professor no Instituto Superior Técnico Mário Lopes defende que falta fiscalização das normas relativas à resistência sísmica. E que a prevenção devia começar pelos cidadãos que, desde logo, deviam exigir essas condições quando vão habitar uma casa.


Esta semana houve dois sismos no país, o que é que significam?
Os sismos têm origem em zonas de falha na crosta terrestre. O primeiro grupo de falhas que afetam Portugal fica a sul do Algarve, que separa as grandes massas continentais europeia e africana. O segundo, é no vale inferior do Tejo, se fizer uma linha entre o Entroncamento e Setúbal ao longo do rio, tem várias falhas que podem originar sismos, que não têm tanta magnitude como o de 1755, mas para quem estiver perto do epicentro podem ser muito destrutivos. Dentro do território português, há numerosas outras falhas que separam bocados das crosta mais pequenos e, portanto, não podem originar sismos tão fortes, não há possibilidade de acumularem tanta energia.

O último foi de magnitude 3,4 na escala de Rocher, a 10 km a noroeste de Alcochete…
É um sismo muito fraco, não tem significado especial e não é motivo de alarme. Há uma coisa positiva: lembrar que estamos numa zona sísmica e que, em qualquer momento pode haver um sismo mais forte que cause muitos estragos e matar muita gente. É uma forma de nos lembrar que estamos em cima de um barril de pólvora e que um dia vai explodir.

O que é se pode fazer para evitar a explosão seja muito destrutiva?
É uma coisa que eu, e muitos colegas, andamos a dizer há 20 anos e a que, infelizmente, ligam pouco. Temos de construir edifícios e infraestruturas para resistir a esses sismos. Não é quando acontecer que vamos pensar, é antes, quando compramos a nossa casa, exigir garantias que tem resistência sísmica. Em Portugal desde 1958 que é obrigatório preparar os edifícios, as pontes e as estruturas de engenharia civil, para resistirem aos sismos. O problema é que o cumprimento da legislação não é fiscalizado.

Leia mais em Diário de Notícias

Assine nossa Newsletter