CS pede presença feminina "significativa" no processo de paz afegão

CS pede presença feminina “significativa” no processo de paz afegão

O Conselho de Segurança da ONU pediu nesta sexta-feira (12) “a participação plena, igual e significativa das mulheres” no processo político para a paz no Afeganistão, sem mencionar as recentes propostas dos Estados Unidos com esse propósito

“Os membros do Conselho de Segurança reconhecem que uma paz duradoura só pode ser alcançada por meio de um processo abrangente e inclusivo liderado por afegãos”, acrescenta o texto distribuído pela presidência americana do órgão.

Este processo “visa um cessar-fogo permanente e abrangente, bem como um acordo político inclusivo para encerrar o conflito no Afeganistão”, diz o comunicado, que também condena “nos termos mais veementes o número alarmante de ataques contra civis” produzidos no país.

Sem identificar nenhum grupo em particular, o Conselho também expressa “sua profunda preocupação com a ameaça representada pelo terrorismo no Afeganistão e na região”.

O texto teve a aprovação dos 15 integrantes do organismo.

Também “encoraja fortemente as partes nas negociações a tomarem medidas de fortalecimento da confiança, incluindo a redução da violência, e a continuar a participar de boa fé” no processo de paz.

Os Estados Unidos enviaram recentemente um projeto de acordo de paz ao governo de Cabul e ao Talibã, que prevê a criação de um “novo governo inclusivo”, de acordo com uma carta do secretário de Estado, Antony Blinken, revelada pela mídia afegã.

Washington também propôs a realização de uma próxima reunião interafegã na Turquia e a organização de uma reunião ministerial sob os auspícios da ONU que inclui os Estados Unidos, Rússia, China, Índia, Paquistão e Irã para chegar a um acordo sobre “uma abordagem unitária” sobre o futuro do Afeganistão.

Related posts
Mundo

"Modo de vida de mais de três mil milhões de pessoas depende dos oceanos”

PolíticaPortugal

Guterres recebe luz verde para segundo mandato à frente da ONU

MundoPolítica

NATO vai procurar financiamento para forças afegãs após deixar Afeganistão

EconomiaMundo

António Guterres: "O mundo deve entrar numa economia de guerra contra pandemia"

Assine nossa Newsletter