Manutenção de vencimentos e compensações em Macau divide deputados

Manutenção de vencimentos e compensações em Macau divide deputados

Para uns, como Song Pek Kei, a manutenção do valor do salário mínimo é essencial para a sobrevivência das empresas, mas para outros, como Leong Sun Iok, há compensações que deviam subir, depois de muitos anos congeladas durante o “boom” da economia

A decisão proposta pelo Governo ao Conselho Permanente de Concertação Social (CPCS) de manter o valor mensal de 6.656 patacas para os trabalhadores de limpeza e de segurança na actividade de administração predial é aceite, mas está longe de gerar consenso entre os deputados da Assembleia Legislativa. Ao HM, houve ainda legisladores que se mostraram desagradados com a opção de manter o valor das compensações por acidentes de trabalho inalteradas, assim como o montante de 21 mil patacas por despedimento sem justa causa.

Para José Pereira Coutinho, deputado ligado à Associação de Trabalhadores da Função Pública de Macau (ATFPM), havia margem de manobra para haver um aumento numa fase tão difícil. “É injusto que num momento destes, a situação continue a perdurar em detrimento dos direitos fundamentais dos trabalhadores. É injusto que os valores não sejam aumentados para todos, em termos de salários”, afirmou, ao HM.

O pagamento das indemnizações é outro assunto que não convence o deputado. “É injusto que as compensações se mantenham no valor actual, não obstante os anos de serviço dos trabalhadores”, vincou.

Leia mais em Hoje Macau

Related posts
BrasilSociedade

Maioria dos reajustes salariais em outubro ficaram acima da inflação

EconomiaPortugal

Só mais pobres viram crescer rendimento real no 1.º semestre de 2022 em Portugal

Cabo VerdePolítica

Salários da função pública cabo-verdiana valem mais de 10% do PIB em 2023

PolíticaPortugal

Governo português pode antecipar mais 20 milhões em salários

Assine nossa Newsletter