Taxa de esforço dos contribuintes portugueses com a banca sobe para o nível mais alto desde a crise soberana - Plataforma Media

Taxa de esforço dos contribuintes portugueses com a banca sobe para o nível mais alto desde a crise soberana

Só em 2012 há paralelo. Banif e BPN continuam a consumir recursos públicos. Novo Banco também. E o resto do setor pode arrastar o rating do país quando moratórias e garantias públicas começarem a ser descontinuadas.

O esforço efetivo dos contribuintes para amparar os bancos (Banif e BES/Novo Banco) subiu para o valor mais elevado desde 2012, ano marcado pela crise soberana aguda e pelo ajustamento da troika e do governo PSD-CDS.

De acordo com o Tribunal de Contas, em 2019 (último ano para o qual existem dados disponíveis), apesar de já não ser um ano de crise orçamental, o Estado voltou a ser chamado a gastar quase 2,5 mil milhões de euros com aqueles dois universos bancários.

Ao abrigo do contrato assinado com a Lone Star e o Fundo de Resolução, o Estado injetou mais 1,2 mil milhões de euros no Novo Banco (NB) ao abrigo do mecanismo de capital contingente.

Leia mais em Dinheiro Vivo

Artigos relacionados
AngolaEconomia

BCP confirma abertura da Sonangol para avaliar "criação de valor"

EconomiaPortugal

Montepio: "O banco não está à venda, tem dimensão estratégica para o grupo"

EconomiaTimor-Leste

BNCTL detém mais de 45% do crédito bancário em Timor-Leste

BrasilEconomia

Exploração mineira, agricultura e banca vencem pandemia, revela estudo no Brasil

Assine nossa Newsletter