Jimmy Lai não tem relação com caso que afeta Biden, afirma conselheiro - Plataforma Media

Jimmy Lai não tem relação com caso que afeta Biden, afirma conselheiro

Um conselheiro do magnata pró-democrata de Hong Kong, Jimmy Lai, pediu demissão depois de admitir que ajudou a financiar uma questão polémica que envolve o filho de Joe Biden com a China, e afirmou que o empresário não teve conhecimento da questão.

Um documento de 64 páginas, assinado por um autor fictício, circulou na internet e foi utilizado por partidários do presidente americano Donald Trump para tentar desacreditar o candidato democrata à presidência norte-americana Joe Biden, ao afirmar que o seu filho tinha relações comerciais na China.

As investigações iniciadas nos últimos dias debateram-se com a origem do documento e a veracidade do mesmo.

Numa série de publicações no Twitter durante o fim de semana, Lai afirmou que o seu conselheiro Mark Simon, muito crítico de Biden, havia “trabalhado no projeto”.

“Sei que é difícil acreditar, mas eu não sabia de nada. E a minha integridade agora é afetada”, afirmou Lai.

Simon, que pediu demissão no fim de semana, afirmou neste domingo, por e-mails enviados à AFP, que agiu por conta própria para financiar algumas investigações que serviram para elaborar o projeto.

“O Apple Daily não tem nada a ver com isto, Lai muito menos”, explicou, ao citar o nome do tabloide pró-democracia de Hong Kong que pertence a Lai.

Na sexta-feira, o canal americano NBC divulgou uma investigação que destacava as muitas perguntas sobre a identidade e as fontes do documento de 64 páginas.

Por exemplo, a emissora descobriu que a pessoa que era apresentada como seu autor, um suposto analista suíço chamado Martin Aspen, não existia. A identidade foi inventada e a sua foto produzida por softwares.

O relatório teria sido “encomendado pelo Apple Daily”, de acordo com a NBC, que citou um professor universitário da Fulbright University Vietnam, Christopher Balding. O tabloide e Simon negaram as acusações.

Lai, de 71 anos, é um dos maiores adversários do governo chinês pelo seu compromisso com o movimento pró-democrata e elogia Donald Trump por opôr-se abertamente a Pequim.

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Artigos relacionados
BrasilMundo

E se… Trump se recusar a aceitar uma eventual derrota para Joe Biden?

ChinaMacau

Detidos sete elementos pró-democracia em Hong Kong, incluindo quatro deputados

MundoPolítica

Polícia faz buscas em escritórios de magnata dos 'media' Jimmy Lai

Hong KongMundo

Trump classifica Jimmy Lai como “homem corajoso”

Assine nossa Newsletter