André Ventura: "Este Papa tem prestado um mau serviço ao cristianismo" - Plataforma Media

André Ventura: “Este Papa tem prestado um mau serviço ao cristianismo”

André Ventura já admite ficar na liderança do Chega mesmo que perca para Ana Gomes (“admito que sim, admito que não”); diz que a castração física de um pedófilo só se ele quiser; prepara-se para viabilizar um governo PSD nos Açores. E no fim critica duramente o Papa Francisco. Em campanha sente “o apoio de muitos padres”.

André Claro Amaral Ventura, nasceu em Algueirão, Sintra, tem 37 anos e é licenciado em Direito, com doutoramento em Direito Público pela Universidade de York, na Irlanda. Foi seminarista, quase chegou a padre mas depois mudou de ideias. É inspetor da Autoridade Tributária, mas com licença sem vencimento desde 2014. Foi militante e dirigente do PSD e, nas últimas eleições autárquicas foi o candidato social-democrata à Câmara de Loures. Dois anos depois fundaria o Chega, partido pelo qual, nesse mesmo ano – 2019 – foi eleito deputado, sendo agora candidato às eleições presidenciais.

A quem é que toca a decisão final quanto à formação de um governo nos Açores: ao Chega dos Açores ou ao Chega nacional?
Nós no Chega temos uma lógica, respeitando a autonomia que também existe na estrutura regional do Chega dos Açores – que teve um excelente resultado também nestas eleições – de unidade nacional. Portanto, o Chega dos açores não se distingue do Chega do resto do país. Eu disse isto na noite eleitoral. Nós não podemos ter o Chega nos Açores a dar-se muito bem com o PSD, o Chega na Madeira a odiar o PSD e o PSD nacional a dizer que não fala com o Chega nacional. Isso não existe e passa para o eleitorado a pior das mensagens. Portanto, diria que a decisão final será de uma articulação entre o Chega nacional e o Chega dos Açores que, certamente, vai ser possível ser feita.

Leia mais em Diário de Notícias

Assine nossa Newsletter