Membros da UE adotam plano de biodiversidade, ONGs estão prudentes - Plataforma Media

Membros da UE adotam plano de biodiversidade, ONGs estão prudentes

Os ministros europeus do Meio Ambiente aprovaram nesta sexta-feira (23) uma estratégia destinada a proteger a biodiversidade na UE, assim como o essencial da lei do clima, com exceção da meta de emissões para 2030, sobre a qual persistem fortes discrepâncias entre os países.

Reunidos em Luxemburgo, os ministros dos 27 países-membros apoiaram a estratégia proposta pela Comissão Europeia (braço executivo da UE), que prevê proteger 30% da superfície terrestre e marinha da Europa.

“Este objetivo deverá ser alcançado coletivamente pelos Estados-membros que participarão do esforço comum, levando em conta os parâmetros nacionais”, diz o comunicado comum.

Os ministros tinham dado seu aval à obrigação de que os projetos económicos europeus futuros não sejam nocivos à biodiversidade. Todos os projetos legislativos da Comissão deverão levar em conta essa premissa.

“As populações de aves e insetos desaparecem, as nossas paisagens naturais encontram-se num estado lamentável devido à agricultura industrial e à exploração das florestas”, comentou a ministra alemã Svenja Schulze, cujo país preside a UE neste semestre. A ministra pediu que se faça mais para “reconstruir” as paisagens.

Os governos esperam que a “Comissão proponha objetivos para a restauração da natureza que sejam legalmente obrigatórios”, acrescentou.

Trinta por cento do orçamento da UE e do plano de recuperação pós-covid-19 serão destinados a ações climáticas. Por isso, os 27 propõem que “uma parte importante” destes fundos sejam investidos em projetos que preservem a biodiversidade.

A iniciativa foi bem recebida pelas ONGs ambientalistas, que esperam, no entanto, que saia do papel. Trata-se de uma “etapa revolucionária”, mas “no passado, faltaram objetivos ambiciosos. Infelizmente, o que tem fracassado com frequência tem sido sobretudo a execução”, lembra a WWF Alemanha.

Segundo a Agência Europeia para o Meio Ambiente (AEE), mais de 80% dos habitats protegidos pela UE estão muito deteriorados; a fauna e a flora estão ameaçadas pela agricultura intensiva, a urbanização, o turismo, a contaminação, a silvicultura pouco sustentável e as mudanças climáticas.

Os ministros aprovaram nesta sexta-feira em Luxemburgo o ambicioso projeto de lei do clima europeia, com exceção do objetivo de emissões de gases de efeito estufa da UE para 2030.

Os países não chegam a um consenso sobre o tema e adiaram qualquer decisão até a cúpula europeia de meados de dezembro.

A Comissão quer reduzir as emissões em 55% até 2030 com relação aos níveis de 1990, diante da meta atual, de 40%. O Parlamento Europeu, ao contrário, reivindica que a redução seja, no mínimo, de 60%.

Vários países, com a Polónia à frente, consideram estas metas inalcançáveis, já que são muito dependentes do carvão.

“Faltam cinco minutos para a meia-noite no relógio da emergência climática, mas os nossos governos ainda resistem”, lamentou nesta sexta Sebastian Mang, do Greenpeace.

Artigos relacionados
MundoSociedade

Com crise climática, América Central vê escalada de homicídios de ambientalistas

MoçambiqueMundo

Cabo Delgado: Eurodeputados insistem em papel mais ativo e urgente da União Europeia

Eleitos

A crise que se segue

BrasilSociedade

Jovens ativistas arrecadam 160 mil euros para a Amazónia

Assine nossa Newsletter