João Lourenço: O desafio de fazer uma Angola melhor - Plataforma Media

João Lourenço: O desafio de fazer uma Angola melhor

Na terça-feira, dia 22 de Setembro, o Chefe de Estado fazia a última intervenção, antes de completar três anos desde que tomou posse como Presidente da República, na maior tribuna política e diplomática mundial. Na histórica 75ª Assembleia-Geral das Nações Unidas, em videoconferência, por conta da pandemia da Sars-CoV 2, João Lourenço discursou às 22 horas de Angola (17h em Nova Iorque).

“Não há memória, desde a sua fundação, de uma situação em que os Chefes de Estado ou de Governo dos países-membros da Organização das Nações Unidas ficassem, por razões alheias às suas agendas, todos impedidos de participar pessoalmente na Assembleia-Geral desta organização, que se debruça sobre os grandes temas das relações internacionais e procura delinear soluções para resolver as principais preocupações da Humanidade, garantindo a paz, a segurança e a estabilidade do nosso planeta, nossa casa comum”, acentuava o Chefe de Estado.

Do outro lado do Atlântico, na Primeira Avenida de Nova Iorque, onde está a sede das Nações Unidas, apenas o pessoal diplomático representado na organização e o Secretário-Geral, António Guterres, atentos ao ecrã gigante e ao aceno de cada líder, a confirmar de está no ar. 

“Hoje, apesar das actuais circunstâncias decorrentes da pandemia da Covid-19, que impõem a todos nós restrições de movimentos e outros procedimentos adequados ao contexto actual, está a ser possível comunicarmo-nos, com a sensação virtual de estarmos juntos, graças às quase ilimitadas possibilidades que as novas tecnologias colocam ao serviço da Humanidade”, ­reconheceu João Lourenço.

Sobraram elogios a António Guterres em tempos da Covid-19. “Permita-me, senhor Secretário-Geral, que o felicite por ter tomado a oportuna decisão de manter a dinâmica de funcionamento das Nações Unidas com os recursos tecnológicos ao nosso dispor”, disse o Presidente João Lourenço.
Em tempo de pandemia da Covid-19, grande parte do discurso do Chefe de Estado foi tomado pelas acções em curso para minimizar os efeitos do coronavirus.

“Este problema sanitário global paralisou toda a­ ­dinâmica que se perspectivou em termos de retoma da economia mundial, que, após a crise económica iniciada em 2008, dava sinais animadores de recuperação e muito particularmente em países em vias de desenvolvimento, como no caso de Angola”, afirmou. No plano da cooperação entre Estados, o Presidente João Lourenço lembrou a desvantagem do unilateralismo em situações como esta da pandemia da Covid-19.

Leia mais em Jornal de Angola

Related posts
AngolaPolítica

Covid-19: Presidente da República de Angola recebe primeira dose da vacina

AngolaPolítica

Espanha incentiva produtos 'Made in Angola'

AngolaPolítica

João Lourenço encoraja investimento privado espanhol

Angola

Petrolífera ENI vai investir sete mil milhões de dólares em Angola

Assine nossa Newsletter