Ataque informático à Escola Portuguesa de Macau com possível origem na Ucrânia - Plataforma Media

Ataque informático à Escola Portuguesa de Macau com possível origem na Ucrânia

Depois do ataque informático, foi detectada uma entrada no sistema NetGiae, da Escola Portuguesa de Macau, a partir de um endereço de IP localizado Ucrânia. Três empresas não conseguiram desencriptar os dados bloqueados, num caso que está a ser investigado pelo Gabinete de Protecção de Dados Pessoais. A Escola Portuguesa reforçou a segurança informática, para impedir novos ataques

Lockbit. Assim se chama o software de encriptação e resgate que atacou o sistema informático NetGiae da Escola Portuguesa de Macau (EPM). Segundo uma troca de e-mails, a que o HM teve acesso, entre a Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Portuguesa de Macau (APEP) e a direcção da escola, o ataque pode ter vindo de um computador situado na Ucrânia. “Durante as perícias realizadas, detectou-se uma entrada no sistema a partir de uma morada/IP que corresponde a um computador localizado na Ucrânia (Kharkiv)”, informou a direcção da EPM, acrescentando que “não foi pedido qualquer resgate para a desencriptação da base de dados”.

O Lockbit esteva na origem de vários alertas da Interpol devido a ataques a hospitais e empresas do sector da saúde, com particular incidência durante a pandemia. No início de Abril, mês em que a EPM foi atacada, a Interpol alertou as autoridades policiais dos quase 200 países-membros para os perigos deste software e de associações criminais que o usam.

Leia mais em Hoje Macau.

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Artigos relacionados
Política

Ainda sem vacinas, Ucrânia proíbe imunizantes da Rússia

Cabo VerdeSociedade

Ataque à rede tecnológica privativa do Estado de Cabo Verde chega à Interpol

MacauSociedade

Docomomo alerta para descaracterização da Escola Portuguesa de Macau

ChinaCultura

Organização do património alerta para descaracterização da Escola Portuguesa de Macau

Assine nossa Newsletter