Beyoncé mergulha de cabeça no afrofuturismo no álbum 'Black Is King' - Plataforma Media

Beyoncé mergulha de cabeça no afrofuturismo no álbum ‘Black Is King’

Novo álbum visual da diva americana, Beyoncé, é manifesto da beleza negra.

Quando subiu ao palco do Grammy há três anos para cantar o medley de “Love Drought” e “Sandcastles”, canções do disco “Lemonade”, Beyoncé, grávida de gémeos, homenageava a orixá Oxum com sua coroa e projeções de tom amarelo.

No ano seguinte, no festival Coachella, surgiu com roupa prateada e turbante inspirados na rainha egípcia Nefertiti. Ainda na era “Lemonade”, dessa vez no clipe de “Sorry”, pintou a pele das dançarinas com a obra do artista nigeriano Laolu Senbanjo.

Leia mais em Folha de S.Paulo

Artigos relacionados
CulturaMundo

Tóquio 1964, os Jogos que fizeram da cidade uma montra do futuro

CulturaMundo

Neil Young processa Donald Trump por uso indevido de canções

CulturaMundo

Disney decide lançar 'Mulan' direto no streaming, a cobrar

CulturaMundo

Festival de Cinema de Locarno reformulado devido à Covid-19

Assine nossa Newsletter