Receitas do petróleo em Angola descem para menos de 50% - Plataforma Media

Receitas do petróleo em Angola descem para menos de 50%

As receitas do petróleo em Angola vão descer para menos de 50% do total da receita fiscal pela primeira vez devido aos preços das matérias primas e ao impacto da pandemia de covid-19.

“Os preços baixos do petróleo e o impacto da pandemia de covid-19 baixaram a previsão de receita fiscal e pela primeira vez o Governo de Angola espera que o rácio das receitas petrolíferas face ao total caia para menos de metade (48,2%), face aos 60,7% de 2019 e aos 64,7% do orçamento original”, lê-se numa análise do departamento de estudos económicos do Standard Bank.

De acordo com o documento, enviado aos clientes e a que a Lusa teve acesso, “a despesa total deverá aumentar 17,9% face ao ano passado, mas ainda assim está 8,6% abaixo do previsto no orçamento inicial, com a despesa com salários públicos a representar 29,5% do total”.

No comentário à apresentação da proposta, feita em Luanda na semana passada, o Standard Bank diz que “o Governo espera que a economia se contraia pelo quinto ano consecutivo, assumindo uma queda de 3,6% do PIB face a uma expansão de 1,8% prevista anteriormente”.

Nos gráficos que acompanham a nota, o Standard Bank revela que espera que 2021 seja um novo ano de crescimento negativo, com uma recessão de 1,1%.

“O ajustamento nas estimativas nominais do PIB resultou, consequentemente, numa deterioração do rácio da dívida pública face ao PIB, que deverá aumentar para 123% este ano, face aos 113% de 2019 e aos 91% em 2018”, acrescenta-se no documento, que alerta para a pressão nesta área.

“O orçamento revisto coloca o serviço da dívida externa nos 4,5 mil milhões de dólares, quando era de 7 mil milhões inicialmente, o que parece incorporar, pelo menos parcialmente, o resultado da adesão à Iniciativa da Suspensão do Serviço da Dívida (DSSI) e as negociações sobre este tema com a China”, lê-se na nota assinada pelo economista Fáusio Mussa.

Ainda assim, o rácio do serviço da dívida face às receitas deverá aumentar de 112,4% no orçamento inicial para 128,8% na revisão apresentada na semana passada.

A degradação do cenário económico implica também um desequilíbrio orçamental, com o Governo angolano a espera agora um défice de 4%, que compara com a previsão de excedente de 1,2% do PIB.

A balança de pagamentos também deverá oscilar para terreno negativo, descendo de 6,1% em 2019 para -4,2% este ano.

“A expectativa de défices gémeos é em larga parte atribuível ao panorama sombrio esperado no setor petrolífero, com o orçamento assumir um preço de 33 dólares por barril, que compara com os 55 dólares previstos anteriormente”, acrescenta-se no documento.

Artigos relacionados
BrasilEconomia

Produção de petróleo da Petrobras cresce 9% no ano mesmo com pandemia

EconomiaPolítica

João Leão assume que não entende como é que o orçamento não possa ser aprovado

EconomiaPortugal

Quase 400 mil famílias portuguesas deixaram de pagar os créditos

AngolaEconomia

Receita petrolífera angolana reduz 15,8 mil milhões no mês de setembro

Assine nossa Newsletter