Ativistas dizem que militares do Governo não estão a poupar civis em Cabinda - Plataforma Media

Ativistas dizem que militares do Governo não estão a poupar civis em Cabinda

Confrontos entre rebeldes e forças do Governo angolano terão causado mais de 20 mortos em junho em Cabinda. Ativistas denunciam que militares das Forças Armadas estariam a vitimar civis e a operar em território de países vizinhos, noticia a DW

Organizações que defendem a autonomia da província angolana de Cabinda consideram reais os alegados confrontos entre as Forças Armadas Angolanas (FAA) e o braço armado da Frente de Libertação do Enclave de Cabinda (FLEC).

Segundo relatos de organizações que advogam pela paz e defendem a autonomia da região, confrontos entre soldados angolanos e guerrilheiros intensificaram-se nos últimos dias. As incursões militares atribuídas às FAA terão feito pelo menos 23 mortos em junho, noticia a DW.

O movimento separatista acusa o Governo angolano de evitar o diálogo. No último domingo, dois líderes da União dos Cabindeses para Independência (UCI) foram detidos.

“Ainda não recebemos informações preliminares por parte dos advogados, que foram impedidos de interagir com os detidos. A informação não oficial que temos é que foram detidos por colarem panfletos pelo diálogo para a paz em Cabinda. A colagem de panfletos aconteceu na noite de sábado, e a detenção na manhã de domingo em Bukungoio”, disse o secretário-geral da UCI, Eduardo Matunda, adiantando que a busca por combatentes da FLEC na região tem vitimado cidadãos inocentes.

“Quem vive em Cabinda sabe que se trata de um território muito militarizado. Vive-se um clima de insegurança total. Vemos todos os dias militares com armas de guerra nas ruas e isso intimida a população”, analisa Matunda.

FLEC-FAC apela a Portugal e diz que António Costa pratica “política de avestruz”

Segundo o secretário-geral da UCI, militares do Governo estariam a atacar constantemente áreas do enclave e a operar em território de países vizinhos – como República do Congo e República Democrática do Congo. Matunda garante que tais incursões vitimam inocentes.

“O que acontece aqui em Cabinda é uma situação caótica”, diz o ativista.

O líder do Movimento da Reunificação dos Povos de Cabinda para a sua Soberania (MRPCS), Arão Bula Tempo, confirma o conflito armado no interior da província. O advogado denuncia que algumas vítimas seriam cidadãos dos dois países vizinhos, suspeitos de apoiarem os separatistas.

MNE português relembra Acordo de Alvor sobre conflitos em Cabinda

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
AngolaPolítica

Combates entre a FLEC-FAC de Cabinda e as forças angolanas fazem cinco mortos na fronteira com o Congo

AngolaPolítica

Angola quer 2 mil milhões de dólares no processo contra Isabel dos Santos

AngolaPolítica

João Lourenço: “Combate à corrupção passou a ser algo de concreto e visível”

AngolaPolítica

FLEC-FAC apela a Portugal e diz que António Costa pratica "política de avestruz"

Assine nossa Newsletter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Vale a pena ler...
FLEC-FAC apela a Portugal e diz que António Costa pratica “política de avestruz”