Falta de medicamentos para a Sida em Angola “é um problema real” - Plataforma Media

Falta de medicamentos para a Sida em Angola “é um problema real”

O representante da ONUSIDA em Angola, Michel Kouakou, disse hoje que a questão da rotura de “stock” de antirretrovirais de segunda linha no país “é um problema real”, referindo que a organização e Governo angolano trabalham para resolução.

“É um problema real, obviamente como ONUSIDA temos que trabalhar em coordenação com outras agências, porque quando se trata de tratamento a responsabilidade é da Organização Mundial da Saúde (OMS), então trabalhamos com a OMS para poder tornar isso efetivo”, afirmou hoje em declarações à Lusa.

O Fundo Global é atualmente responsável pela aquisição de 30% de fármacos e testes de VIH em Angola e o Governo angolano adquire os restantes 70%, segundo Michel Kouakou.

Para o representante da ONUSIDA em Angola, o “encerramento de fronteiras e o cancelamento de voos, devido à covid-19”, concorreram para a atual situação de carência de antirretrovirais de segunda linha no país.

Nesse período da covid-19, “que apareceu sem avisar ninguém, os atos mudaram, todo o mundo ficou preocupado e o Governo angolano tomou a medida certa para conter a propagação,”.

“Com os voos suspensos, as encomendas não chegaram a tempo, então isso explica em parte essas medidas, mas outra medida salutar que foi tomada em finais de março e início de abril era dar três meses de medicação às pessoas vivendo”, realçou.

Então, observou, “o perigo é a partir agora em finais de junho, obviamente que é complicado fazer uma pesquisa para saber quantas pessoas estão nesta situação sem acesso aos medicamentos de segunda linha”. “Mas, mesmo que for uma ou dez pessoas já é uma preocupação”, notou.

A problemática da rotura de “stock” de antirretrovirais, sobretudo de segunda linha, em Angola foi apresentada na quinta-feira passada pela Anaso, que em carta aberta enviada à Lusa, onde alertava que a situação “poderá se alargar” para os fármacos de primeira linha.

Em reação, o Governo angolano de conta que a rotura de “stock” de antirretrovirais no país, “decorre da conjuntura internacional, devido à covid-19”, garantindo que “tudo está a ser feito para que esses medicamentos não faltem aos doentes”.

Related posts
AngolaSociedade

Ritmos do Carnaval e xinguilamento marcam as celebrações dos 447 anos

AngolaSociedade

Hospitais de Luanda criam condições para celebrar Ano Novo com pacientes

Mundo

Alcançado acordo histórico sobre biodiversidade

MundoSociedade

Sida matou 650 mil pessoas em 2021, menos 5,79% do que no ano anterior

Assine nossa Newsletter