PESSIMISMO AFETA HONG KONG - Plataforma Media

PESSIMISMO AFETA HONG KONG

 

Um em cada cinco residentes de Hong Kong encara o futuro político da cidade com pessimismo e pensa em sair da Região Administrativa Especial chinesa, de acordo com um inquérito da Universidade Chinesa de Hong Kong.

Numa escala de zero a dez, equivalendo dez a extremamente otimista, a média das respostas foi de 4,22, o que aponta para um clima geral de pessimismo, descreve o jornal South China Morning Post. Cerca de 21% dos inquiridos admitiram estar a considerar emigrar.

A maioria dos participantes, 53,7%, defendeu que o Conselho Legislativo devia vetar a propostas de reformas eleitorais que impliquem que pessoas com ideias políticas diferentes de Pequim não sejam autorizadas a concorrer ao cargo de chefe do Executivo. Opinião oposta tem 29,3% dos inquiridos, que acredita que estas propostas devem ser aprovadas.

Entre os entrevistados, 46,3% não apoiam os protestos do Occupy Central, enquanto 31,1% diz apoiar o movimento de desobediência civil que pretende ocupar o distrito financeiro da cidade.

O estudo faz parte do projeto “Estudos de Desenvolvimento Político e Opinião Pública” do Centro de Inquéritos de Opinião Pública e Comunicação da universidade, foi conduzido entre 10 e 17 de setembro e incluiu entrevistas a 1.006 residentes, falantes de cantonês, com mais de 15 anos.

Dados oficiais citados pelo jornal indicam que 7.600 pessoas de Hong Kong emigraram no ano passado, um valor muito abaixo dos 30.900 registados em 1997, data da transferência de soberania para a China.

 

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Assine nossa Newsletter