NJINGA MBANDI E AIMÉ CÉSAIRE EVOCADOS EM CUANZA NORTE - Plataforma Media

NJINGA MBANDI E AIMÉ CÉSAIRE EVOCADOS EM CUANZA NORTE

 

A atividade enquadrada numa iniciativa do ministério angolano da Cultura destina-se a promover a valorização e divulgação de figuras históricas africanas que lutaram pela independência dos povos do continente.

O corte da fita da cerimónia abertura da exposição teve a participação conjunta do governador do Cuanza Norte, Henrique André Júnior e do secretário de Estado da Cultura, Cornélio Caley. O evento, que decorre no centro cultural “Alda Lara”, na cidade de Ndalatando, está a ser marcado pela exposição de placards com imagens e narrações sobre os feitos e legados das duas figuras históricas referidas.

Estão também expostas obras de arte e diversos manuais que retratam as imagens da rainha Njinga Mbandi e de Aimé Césaire , no quadro de uma atividade que terá duração de 30 dias.

Na abertura do evento, Cornélio Caley referiu que o ato reveste-se de muita importância pelo facto do mesmo estar recheado de obras modernas que transmitem o passado e constituem uma oportunidade para os estudantes, sobretudo jovens, verem quanto a rainha Njinga Mbandi trabalhou para que a sua soberania fosse defendida.

“ Ela é uma exposição moderna, nos transporta para o passado e nos convida a sermos herdeiros verdadeiros de Njinga Mbandi”, referiu.

Cornélio Caley acrescentou que os atos da soberana espalharam-se pelo mundo e que a tenacidade e a luta pela liberdade igualdade e justiça, fizeram com os descendentes dos escravos do outro lado do atlântico como Aimé Césaire assegurassem esta vontade de ser e colocar o africano no seu lugar e de promover a igualmente dos africanos em relação aos outros povos.

O responsável apelou a população a afluir ao local da exposição, pelo facto do mesmo  remeter as pessoas  para os meandros da história angolana.

Assistiram a cerimónia de abertura, membros do governo, efetivos das Forças Armadas Angolanas (FAA) e da polícia nacional, entidades religiosas e tradicionais, bem como população.

Njinga Mbande foi uma rainha do reino de Matamba que lutou contra a ocupação colonial de Angola e liberdade dos negros, ao passo que Aimé Césare foi uma das principais vozes do Movimento Negritude, defensor das raízes africanas, sendo ainda um dos maiores poetas surrealistas do mundo.

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Assine nossa Newsletter