Enfermeiros portugueses querem receitar medicamentos

Podem os enfermeiros prescrever fármacos? Em Portugal não, o tema ainda é tabu, mas já há países, nomeadamente a vizinha Espanha, em que tal é possível em determinadas áreas. “E tem sido um sucesso”, diz ao DN quem batalha por esta competência. Há outros países em que esta prática é assumida desde há muito, como Suécia e Dinamarca, ou Reino Unido e Irlanda, Canadá e Estados Unidos da América, Austrália e Nova Zelândia ou África do Sul e Botsuana.

por Gonçalo Lopes

Manuel Lopes, enfermeiro de formação base, professor catedrático e diretor do curso de doutoramento em Ciências e Tecnologia da Saúde e do Bem-Estar, administrado em associação nas universidades Nova, em Lisboa, e de Évora, onde se trabalha a “transprofissionalidade”, diz mesmo que “o futuro vai ter de ser por este caminho”. “Não há volta a dar. Faz todo o sentido do ponto de vista da evolução da formação nos últimos trinta anos e dos cuidados ao doente. Cria uma relação muito próxima entre o prescritor e o consumidor, poupa dinheiro ao Estado e só tem vantagens para o doente do ponto de vista da eficácia farmacológica. Os estudos que existem demonstram enorme eficácia”, justifica.

As organizações internacionais que representam os enfermeiros, como a Federação Europeia das Associações de Enfermagem, há muito que vêm a defender a regulamentação desta competência, mas em Portugal “o tema ainda é tabu”, assume o bastonário da classe, Luís Filipe Barreira, que definiu o tema como uma das prioridades do seu mandato para o colocar na agenda política.

Leia mais em Diário de Notícias

Pode também interessar

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!