Início Atualidade Mocímboa reabilita porto que rebeldes em Cabo Delgado ocuparam

Mocímboa reabilita porto que rebeldes em Cabo Delgado ocuparam

A reabilitação do porto moçambicano de Mocímboa da Praia, que esteve nas mãos de rebeldes em 2020, deverá custar 30 milhões de dólares, segundo o administrador que espera a conclusão da obra até meados deste ano.

“Nesta primeira fase nós estamos a falar de um investimento de cerca de seis milhões de dólares [5,6 milhões de euros], mas no final de todo o programa de desenvolvimento calculámos um total de 30 milhões de dólares [28 milhões de euros]”, declarou Helenio Turzão.

Na noite de 12 de agosto 2020, os grupos armados que têm protagonizado ataques em Cabo Delgado invadiram o porto de Mocímboa da Praia e os confrontos com as Forças de Defesa e Segurança deixaram um número desconhecido de mortos, incluindo elementos da força marítima, além de várias infraestruturas destruídas.

Segundo Helenio Turzão, os rebeldes que ocuparam o porto e a sede de Mocímboa da Praia por vários meses devastaram toda a infraestrutura, bem como a carga de vários clientes que estava no local.

“Nós encontrámos o porto extremamente destruído, quer sob ponto de vista da infraestrutura, quer da carga. Tivemos de fazer toda a atividade de limpeza para dar início à reabilitação”, declarou o administrador.

As obras da infraestrutura, que incluem a construção de um novo cais e a reabilitação do parque de contentores, começaram em agosto de 2022 e deverão terminar em julho, num momento em que o distrito gradualmente ganha vida como resultado das operações conjuntas das forças moçambicanas, do Ruanda e da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC).

Leia ainda: Vida regressa a Palma sob patrulha, dois anos após ataque no norte de Moçambique

“O tecido comercial e industrial já está a regressar com alguma força, o que significa que já existe atividade económica para as populações, que têm estado a regressar a bom ritmo”, concluiu Helenio Turzão.

Após meses nas “mãos” de rebeldes, Mocímboa da Praia foi saqueada e quase todas as infraestruturas públicas e privadas foram destruídas, bem como os sistemas de energia, água, comunicações e hospitais.

No total, cerca de 62 mil pessoas, quase a totalidade da população, abandonaram a vila costeira devido ao conflito que começou há cinco anos e meio, com destaque para as fugas em massa que ocorreram após a intensificação das ações rebeldes em junho de 2020.

A vila costeira foi aquela em que grupos armados protagonizaram o seu primeiro ataque em outubro de 2017, tendo sido, por muito tempo, descrita como a “base” dos rebeldes.

Mocímboa da Praia está situada 70 quilómetros a sul da área de construção do projeto de exploração de gás natural, em Afungi, Palma, liderado pela TotalEnergies.

*Com Lusa

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!