Metade da população de África vive sem acesso a eletricidade -

Metade da população de África vive sem acesso a eletricidade

Cerca de 600 milhões de africanos, quase metade da população do continente, vivem sem acesso à eletricidade e apenas quatro países africanos têm 100% de cobertura de energia eléctrica, conclui um estudo hoje divulgado.

Apresentado pela Fundação África Europa e pela Fundação Mo Ibrahim a propósito de um debate sobre energia e alterações climáticas que hoje decorreu por teleconferência, o estudo conclui que apenas 54,7% dos 1,3 mil milhões de habitantes do continente africano tem acesso a electricidade.

O número de pessoas sem electricidade em África é 1,3% superior à população total da União Europeia, que tem cobertura total de energia eléctrica, conclui o documento.

Segundo os autores do estudo apenas o Egipto, as Maurícias, as Seicheles e a Tunísia têm uma cobertura total de energia, enquanto no Sudão do Sul, por exemplo, apenas 6,7% da população tem electricidade.

Durante o debate de hoje, a representante especial do secretário-geral da ONU para a Energia Sustentável para Todos e copresidente da ONU-Energia, Damilola Ogunbiyi, sublinhou que cerca de 10 milhões de pessoas morrem todos os anos em África por causa da falta de electricidade e mais de 4 milhões de mulheres morrem de problemas de saúde atribuíveis a poluição do ar interior por causa dos combustíveis que usam para cozinhar.

O estudo hoje divulgado revela também que, embora África represente 17% da população global, apenas conta 3,4% do consumo global de energia, enquanto a União Europeia representa 5,8% da população mundial e 10,4% do consumo de energia.

Um cidadão na União Europeia consome em média nove vezes mais do que um habitante de África e a França e a Alemanha juntas consumiram mais energia em 2019 do que toda a população africana.

O mesmo estudo conclui que a proporção das emissões de dióxido de carbono de África (4,0% das emissões globais) é de menos de metade da proporção da sua população no mundo (17,0%), enquanto a proporção das emissões da UE (8,2%) supera largamente a da sua população no mundo.

Leia mais em Jornal de Angola

Assine nossa Newsletter