Destruição da Amazônia seria 'apocalipse' mundial, alerta líder indígena -

Destruição da Amazônia seria ‘apocalipse’ mundial, alerta líder indígena

Milhões de indígenas da bacia amazônica travam uma luta contra o relógio para salvar a floresta que possui 20% da água doce do planeta e evitar um “apocalipse” mundial. 

Um de seus líderes é o venezuelano Gregorio Mirabal, responsável pela Coordenadoria de Organizações Indígenas da Bacia Amazônica (Coica), entidade que representa os 3,5 milhões de indígenas amazônicos de nove países.

“Se a floresta desaparecer, este mundo ficará em chamas, a temperatura vai subir”, adverte Mirabal, em entrevista à AFP na aldeia Unión Base, na Amazônia equatoriana.

O líder indígena pede às nações desenvolvidas que, na COP26, a conferência sobre o clima que começa em Glasgow, na Escócia, em 31 de outubro, trabalhem junto aos povos nativos para proteger os 8,4 milhões de km² da Floresta Amazônica.

Mirabal, que pertence ao povo wakuenai kurripaco, lembra que 17% da floresta foi destruído pela exploração de petróleo e minérios, pela poluição e pelo desmatamento para favorecer a agricultura e a pecuária.

Para o ativista, o futuro da Amazônia pode ser dividido em dois cenários: “[um é o] do apocalipse, do não retorno. As pessoas vão ficar sem oxigênio, o planeta vai esquentar, […] a vida não será possível no planeta se a Amazônia desaparecer”.

“O outro é o que nossos filhos poderão se banhar neste rio, conhecer o que existe aqui, ver as árvores, a biodiversidade […] Este é o cenário que nós estamos oferecendo ao mundo se nos ajudarem a proteger 80% da Amazônia”, afirmou.

– ‘Ponto de inflexão’ –

Segundo Mirabal, “estamos em um ponto de inflexão”, pois, se 20% da Amazônia for desmatada, será muito difícil recuperá-la, já que a “própria desertificação, a falta de água, e os incêndios” vão acabar com a floresta.

“A Amazônia está sendo assassinada”, ressaltou o ativista, que acredita que é necessário protegê-la por ser “uma das grandes reservas de água doce do planeta” e “ter a maior biodiversidade”, “que garante o equilíbrio do clima”.

– Ameaças –

Na opinião do líder da Coica, o maior perigo que a floresta enfrenta é “a falta de vontade política” dos governos locais, junto com a corrupção e o não fortalecimento dos direitos dos povos indígenas.

Para Mirabal, os países desenvolvidos precisam ver a Amazônia como um espaço que “também lhes dá vida”. “Queremos garantir a Amazônia para a humanidade”, sentenciou.

Entre os maiores inimigos da floresta, o ativista afirma que estão os grandes bancos que “financiam a destruição […] ao ofertarem recursos para a exploração de petróleo e outras formas de extrativismo”.

Outro “inimigo” da floresta, citado por Mirabal, é o atual governo brasileiro, comandado por Jair Bolsonaro. 

“O Brasil tem quase 60% de toda a bacia amazônica. Com este presidente, Jair Bolsonaro, aumentou o desmatamento, a mineração ilegal, o extrativismo e os assassinatos de nossos irmãos e irmãs. É o pior governo que temos na bacia amazônica”, frisou o líder indígena.

Nesse sentido, Mirabal menciona que o Brasil, ao lado da Colômbia, é um dos piores lugares do mundo para lideranças indígenas e defensores da natureza, pois “há 80% de chance de que seja assassinado ou preso”.

Segundo o ativista, apenas em 2020 foram registrados 202 assassinatos na Amazônia, um aumento em relação a 2019, quando houve 135 homicídios.

Assine nossa Newsletter