Brasil pede respeito pelos direitos das mulheres e meninas afegãs - Plataforma Media

Brasil pede respeito pelos direitos das mulheres e meninas afegãs

O Governo brasileiro expressou “profunda preocupação com a deterioração da situação no Afeganistão e as graves violações dos direitos humanos” e pediu respeito pelos direitos da população, em especial das mulheres e meninas.

Um comunicado divulgado pelo Ministérios das Relações Exteriores brasileiro na segunda-feira (madrugada de terça-feira em Lisboa) ressaltou que há igualmente apreensão com o aumento da instabilidade na Ásia Central e seu potencial impacto noutras regiões.

“O Brasil espera o rápido engajamento das Nações Unidas para o estabelecimento de canais de diálogo e espera que o Conselho de Segurança possa atuar para assegurar a paz na região. É essencial assegurar a atuação plena da Missão de Assistência das Nações Unidas no Afeganistão (UNAMA)”, diz o comunicado.

“O Governo brasileiro conclama os atores envolvidos a proteger os civis, respeitar o Direito Internacional Humanitário, garantir o acesso desimpedido da ajuda humanitária e respeitar os direitos fundamentais do povo afegão, em especial de mulheres e meninas”, acrescentou.

O país sul-americano também defendeu ser necessário preservar os ganhos obtidos nas últimas décadas em matéria de proteção de direitos humanos, fortalecimento da democracia e desenvolvimento socioeconómico no Afeganistão.

Os talibãs conquistaram Cabul no domingo, culminando uma ofensiva iniciada em maio, quando começou a retirada das forças militares norte-americanas e da NATO.

As forças internacionais estavam no país desde 2001, no âmbito da ofensiva liderada pelos Estados Unidos contra o regime extremista (1996-2001), que acolhia no seu território o líder da Al-Qaida, Usama bin Laden, principal responsável pelos atentados terroristas de 11 de Setembro de 2001.

A tomada da capital põe fim a uma presença militar estrangeira de 20 anos no Afeganistão, dos Estados Unidos e dos seus aliados na NATO, incluindo Portugal.

Face à brutalidade e interpretação radical do Islão que marcou o anterior regime, os talibãs têm assegurado aos afegãos que a “vida, propriedade e honra” vão ser respeitadas e que as mulheres poderão estudar e trabalhar.

Related posts
MundoPolítica

EI reivindica ataques contra talibãs no Afeganistão

MundoPolítica

Talibãs trocam Ministério dos Assuntos Femininos pelo da Prevenção do Vício

MundoPolítica

EUA afirmam que ataque de drone em Cabul matou 10 civis

MundoPolítica

Paquistão diz-se incapaz de receber mais refugiados afegãos

Assine nossa Newsletter