Covid-19: Biden não vai levantar restrições às viagens da Europa e Brasil - Plataforma Media

Covid-19: Biden não vai levantar restrições às viagens da Europa e Brasil

O Presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, que tomará posse na quarta-feira, não levantará restrições às viagens internacionais da Europa e do Brasil a partir de 26 de Janeiro, como anunciou segunda-feira o Presidente cessante, Donald Trump.

“A conselho da nossa equipa médica, a Administração (Biden) não planeia levantar estas restrições a 26 de janeiro. De facto, planeamos reforçar as medidas de saúde pública em viagens internacionais para mitigar ainda mais a propagação da covid-19”, disse futura porta-voz de Biden, Jen Psaki.

A partir de 26 de janeiro, Biden, que toma posse em 20 de Janeiro, já será presidente dos Estados Unidos e, portanto, será aquele com a capacidade de manter ou levantar essas restrições.

A futura porta-voz de Biden respondeu minutos depois de Trump anunciar o fim das restrições de viagem para os EUA da União Europeia, o Reino Unido e o Brasil a partir de 26 de janeiro.

“Com a pandemia a agravar-se, e com o aparecimento de variantes mais contagiosas em todo o mundo, este não é o momento de levantar as restrições às viagens internacionais”, acrescentou Psaki.

A proibição aos passageiros da União Europeia e do Reino Unido foi imposta em março de 2020, enquanto que a proibição ao Brasil data de maio.

A exigência de um teste covid-19 negativo para todos os passageiros aéreos internacionais, incluindo cidadãos norte-americanos, com destino aos Estados Unidos, recentemente anunciada pelo Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC), entra em vigor a 26 de janeiro.

Os Estados Unidos são o país mais afetado pela pandemia, com mais de 24 milhões de casos de covid-19 e quase 400.000 mortes, segundo a contagem independente da Universidade Johns Hopkins.

Artigos relacionados
MundoPolítica

Presidência Trump deixou democracia dos EUA ao nível do Panamá

CulturaMundo

Seis livros de Dr. Seuss descontinuados nos EUA por serem racistas e insensíveis

ChinaMundo

Direitos humanos: Pequim vai publicar relatório que visa Estados Unidos

MundoPolítica

Trump critica primeiro mês de Biden e pisca o olho a 2024

Assine nossa Newsletter