ARS de Lisboa e hospitais privados sem acordo para tratar doentes covid-19 - Plataforma Media

ARS de Lisboa e hospitais privados sem acordo para tratar doentes covid-19

A Administração Regional de Saúde (ARS) de Lisboa diz que nenhum hospital privado da região dispõe atualmente de capacidade para receber “algumas dezenas de doentes covid”.

Luís Pisco, presidente da ARS de Lisboa e Vale do Tejo, afirma que nenhum hospital privado mostrou disponibilidade, mas a associação que representa o setor não confirma esta afirmação, e adianta que espera ainda receber um plano sobre como a transferência de doentes pode ser concretizada.

O presidente da ARS de Lisboa e Vale do Tejo afirmou esta quarta-feira que eram necessárias “20 a 30 camas” numa unidade de saúde. “Face ao que é a programação que o setor privado tem neste momento, ninguém tinha disponíveis camas para esse efeito”, disse, em declarações à TSF.

Mas a Associação Portuguesa de Hospitalização Privada não confirma a indisponibilidade para receber doentes covid-19 de hospitais públicos na região de Lisboa. Numa resposta escrita enviada à TSF, a associação afirma que, na primeira reunião formal, esta quarta-feira, ficou estabelecido que a ARS vai elaborar um plano com as necessidades e termos em que os privados podem colaborar com os hospitais públicos.

“Todos referiram que não tinham possibilidade de aceitar doentes com covid-19”, afirmou Luís Pisco ao Jornal de Notícias. Terão apontado que precisam dar resposta à sua atividade programada não-covid. O presidente da ARS admitiu que os privados mostraram disponibilidade para repensar a posição, se a pandemia se agravar muito.

Leia mais em Diário de Notícias

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Artigos relacionados
PortugalSociedade

Portugal com mais 27 mortes e 2447 casos de covid-19, 66% no Norte

PortugalSociedade

Covid-19: “O descartável voltou a invadir as nossas vidas”, diz ministro do Ambiente

PortugalSociedade

Covid-19: Centenas de pessoas contestam em Lisboa medidas do Governo

PortugalSociedade

Mais 3669 casos, o maior número de infetados de sempre em Portugal

Assine nossa Newsletter