Ramos-Horta vê na pandemia uma "oportunidade para renovar os ideais da democracia" - Plataforma Media

Ramos-Horta vê na pandemia uma “oportunidade para renovar os ideais da democracia”

 Ex-Presidente timorense considera também que é essencial proteger a liberdade e fornecer esperança às pessoas

José Ramos-Horta, antigo Presidente de Timor–Leste e Nobel da Paz, foi um dos oradores convidados do Movimento Mundial pela Democracia, que esta terça-feira realizou uma conferência online sob o tema ‘Batalha de Narrativas: construção de apoio público para a renovação democrática’. O ex-líder timorense não esqueceu o momento em que vivemos, com a pandemia de Covid-19, considerando que esta crise sanitária poderá ajudar a uma renovação dos ideais da democracia.

“Durante as circunstâncias únicas que a pandemia Covid-19 impôs ao mundo, precisamos trabalhar mais do que nunca para garantir que os ideais da sociedade democrática – como liberdade de expressão, liberdade de reunião e associação, Estado de direito – são defendidos e renovados. O trabalho de redes de ativistas pela democracia e pelos direitos humanos, como o Movimento Mundial pela Democracia, é essencial para proteger as liberdades onde elas existem e fornecer esperança onde as pessoas ainda estão se esforçando para alcançá-las. Em meu próprio país, vi a importância da solidariedade global em nossa luta pela liberdade e, por isso, estou animado com a oportunidade de ajudar a manter forte o espírito de solidariedade global entre os democratas”, salientou Ramos Horta, falando depois de uma nova era.

“Não podemos deixar os demagogos traçarem o futuro da democracia. Estamos numa nova era, onde a informação chega mais rápido do que há 20, 30, 40 anos. Há agora uma demanda muito maior por direitos. Os mais jovens e as mulheres estão a exigir cada vez mais direitos. Olhando para o futuro, vejo que estamos mesmo numa nova era. Contudo, essa nova era só avançará com oportunidades e não com as mesmas estratégias de há 20, 30 ou 40 anos. Liberdade e direitos, estes têm mesmo de ser os pilares das novas democracias. Já o deveriam ter sido desde sempre, mas sabemos que muitas vezes e em muitos locais isso não aconteceu”, referiu.

Outro dos opinadores presentes foi o antigo campeão do mundo de xadrez Garry Kasparov, agora um ativista político. O russo, que habita nos EUA, fundou a Renew Democracy Initiative, uma organização americana sem fins lucrativos que promove e defende a democracia liberal, e agora defende novos ideais e novas pessoas dentro do mundo político. “A democracia tem de mudar. Ou melhor, tem de evoluir, e neste momento temos uma democracia com Parkinson, que tem tendência a degenerar se assim continuar. Temos de ter pessoas novas na política a defenderem uma democracia livre, algo que não se vê em grande parte do mundo, apesar da ideia de democracia ser de liberdade”, salientou Kasparov.

Related posts
PolíticaPortugal

PR timorense espera que imigrantes em Portugal se integrem e obtenham nacionalidade portuguesa

PolíticaPortugal

Timor-Leste foi enganado na construção de 'ferry' em Portugal

PolíticaPortugal

Portugal e Timor-Leste trabalham em conjunto para criar condições para timorenses

PolíticaTimor-Leste

PR timorense esperançado em investimentos que maximizem potencial da adesão à ASEAN

Assine nossa Newsletter