Dalai Lama pede ação conjunta contra a mudança climática

Dalai Lama pede ação conjunta contra a mudança climática

O líder espiritual tibetano, o Dalai Lama, pediu neste sábado aos líderes mundiais que unam suas forças para lutar contra a mudança climática. 

“Agora deveríamos prestar mais atenção ao aquecimento global”, declarou o líder exilado em um vídeo enviado a uma reunião virtual de parlamentares dos países do G7 (Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Alemanha, França, Itália e Japão).

Durante o encontro, o Dalai Lama, Prêmio Nobel da Paz em 1989 por seu compromisso a favor do meio ambiente e sua campanha não violenta para defender os direitos do Tibete ante a China, afirmou que as pessoas têm mais consciência hoje sobre o interesse compartilhado em salvar o planeta. 

“Se você observa a história, muita ênfase foi dedicada à nação individual, religião individual, inclusive a cor”, declarou o líder budista de 85 anos, segundo um comunicado divulgado pela ONG Campanha Internacional pelo Tibete. 

“Isto cria muitos problemas. Basicamente há atitudes egoístas e egocêntricas”, disse o Dalai Lama. 

“A mudança climática afeta alguns dos povos menos poderosos do mundo”, completou. 

“Devido ao aquecimento global, há muita chuva em algumas regiões. Outras estão secas. Estas pessoas sofrem”, disse o líder espiritual. “Sobretudo na África e em determinadas zonas da Índia e da China”. 

A reunião foi presidida pela presidente da Câmara de Representantes nos Estados Unidos, Nancy Pelosi, defensora dos direitos do Tibete há vários anos. 

O Dalai Lama teve menos contatos com os governantes dos países nos últimos anos, devido às pressões de Pequim. 

Este artigo está disponível em: English 繁體中文

Artigos relacionados
MundoPolítica

Presidente de Portugal espera que a pandemia sirva de lição e apela à ação climática

Sociedade

Incêndios 'zumbis' na Sibéria são alimentados pela mudança climática

MundoSociedade

Grandes buracos misteriosos na Sibéria podem estar ligados às alterações climáticas

PortugalSociedade

Clima: Jovens portugueses querem que Tribunal dos Direitos do Homem julgue 33 países

Assine nossa Newsletter