"Diziam para ficar quieta para não me levarem para a salinha" - Plataforma Media

“Diziam para ficar quieta para não me levarem para a salinha”

Depois de uma primeira testemunha ter narrado ao DN terror e violência no centro de detenção onde Ihor morreu, outras vêm confirmar esse relato. Desta vez com nome e cara: estão fora de Portugal, não temem represálias. A estas juntam-se as vozes de advogados portugueses narrando mais episódios de abuso.

“Eles voltaram bem quietos, bem amachucados, com sinais de que tinham apanhado, cabeça baixa. A gente teve medo até de perguntar, pensou que ia apanhar também. É uma covardia muito grande o que eles fazem ali.”

Quem conta é Katia Gonçalves dos Santos, 36 anos, brasileira de Curitiba (Paraná). Esteve quatro dias no Espaço Equiparado a Centro de Instalação Temporária (EECIT) do aeroporto de Lisboa, onde o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras coloca os estrangeiros a quem recusa entrada no país, e onde Ihor Homeniuk morreu. Não estava lá quando isso sucedeu – chegou a Portugal a 6 de fevereiro e partiu a 10 – mas assistiu a uma situação de agressões na mesma divisão onde o cidadão ucraniano terá sido também espancado.

Ler mais em Diário de Notícias

Artigos relacionados
PortugalSociedade

Família de ucraniano morto em Portugal deverá receber mais de 830 mil euros de indemnização

PortugalSociedade

Médico que fez autópsia de Ihor pode voltar a ser contratado por Instituto de Medicina Legal

Cabo VerdePortugal

Novo caso de violência. Cabo-verdiano acusa o SEF de agressões na sexta-feira

PortugalSociedade

Inspetores do SEF esperam que videovigilância revele toda a verdade sobre morte no aeroporto

Assine nossa Newsletter