Um encontro interessante

Trump e Kim Jong-un encontraram-se em Panmunjom, e fizeram História com o encontro na linha de demarcação militar entre as duas Coreias. Após o convite do líder norte-coreano, Donald Trump atravessou a fronteira para o lado da Coreia do Norte, onde os dois deram um aperto de mão e passaram juntos para o lado da Coreia do Sul. Durante a interação, Trump convidou Kim Jong-un a visitar a Casa Branca, mas não obteve resposta imediata do líder norte-coreano. Já no lado sul-coreano, estes dois líderes encontraram-se com o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, na "Casa da Paz". Foi o primeiro encontro em 66 anos entre um líder americano e um líder norte-coreano em Panmunjom, e também a primeira vez que os líderes dos três países - EUA, Coreia do Norte e Coreia do Sul - se reuniram desde o acordo de armistício coreano.

O encontro histórico terá sido improvisado ou ensaiado? Antes do encontro em Singapura, Panmunjom pareceu ser para Trump o local mais indicado para se reunir com Kim Jong-un. No dia 30 de abril do ano passado, Trump escreveu na sua página de Twitter que um encontro na fronteira coreana poderia ser ainda mais emblemático, importante e marcante do que um encontro num terceiro país. Apesar da posição do presidente norte-americano, e segundo a Agência de Notícias Yonhap, Mike Pompeo e outros membros da equipa de Trump opuseram-se a um encontro em Panmunjom, e foi por isso que Singapura foi escolhida como destino.

Este foi também o lugar escolhido por Moon para o primeiro encontro entre os líderes das duas Coreias. Mas não foi só este facto que tornou o encontro interessante. No dia 29 de junho, durante a visita a Osaka para a reunião dos G20, Trump partilhou durante uma conferência de imprensa que no seu segundo dia na Coreia do Sul, aquando da visita a Panmunjom, gostaria de poder atravessar para o lado norte-coreano e cumprimentar Kim Jong-un. Ao expressar a sua vontade em frente aos jornalistas, Trump fez um convite público a Kim Jong-un, que a vice-ministra dos Negócios Estrangeiros da Coreia do Norte, Choe Son-hui, comentou como sendo "muito interessante".

A rápida resposta do lado coreano levou a que muitos especulassem que o encontro em Panmunjom estivesse já planeado, com membros do Governo sul-coreano a comentar que foi inicialmente o presidente Moon Jae-in quem fez o convite por escrito a Donald Trump. Resumindo, se Kim Jong-un não estivesse já preparado para tal encontro, o lado norte-coreano provavelmente não teria considerado o convite "interessante". Apenas no dia 30 de junho, numa conferência de imprensa conjunta, é que Donald Trump e Moon Jae-in confirmaram o encontro com Kim Jong-un em Panmunjom.

A localidade de Panmunjom é especial na península coreana. Foi o local onde a 27 de julho de 1953 foi assinado o "Acordo de Armistício Coreano", na linha de demarcação militar entre os dois países. Desde 20 de setembro de 1971 com o encontro entre representantes da Cruz Vermelha das duas Coreias que este é o local utilizado para encontros entre representantes das duas regiões. Atualmente, a maior parte dos postos militares e instalações armadas na zona circundante também já foram desmantelados, permitindo a diminuição de tensões entre os dois países. No futuro, os visitantes vão deixar de precisar de assinar uma "declaração de entrada em zona de guerra" antes de entrarem em Panmunjom.

* Editor Senior

Relacionadas

Exclusivos