Surto de ébola coloca Angola em alerta

Despistagem de casos de ébola na localidade de Beni, na RDCongo

Despistagem de casos de ébola na localidade de Beni, na RDCongo

A Organização Mundial de Saúde avisou hoje Angola para dar resposta a eventuais casos de ébola nas zonas fronteiriças vindos da RDCongo, depois de ter sido declarado o Estado de Emergência Internacional no país vizinho.

"Temos que estar preparados porque somos um país ao lado da RDCongo e por continuidade junto da emigração das pessoas também devem estar alertas, é necessário prestar atenção para que não se registem casos de contaminação", disse hoje à Lusa, o representante da Organização Mundial da Saúde (OMS) em Angola, Hernando Agudelo.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, declarou na quarta-feira o estado de Emergência Internacional na República Democrática do Congo (RDCongo) depois da reunião do Comité de Emergência para avaliar a evolução da epidemia do Ébola já provocou 1.676 mortos, registando 12 novos casos a cada dia.

A notícia foi divulgada através da conta de Twitter da organização e aponta as preocupações com a expansão geográfica da doença como fundamento para esta decisão.

"É altura de a comunidade internacional se solidarizar com o povo da RDCongo, não de impor medidas punitivas e restrições contraproducentes que só servirão para isolar" o país, afirmou Tedros, após a reunião do Comité de Emergência na qual foi declarada a Emergência de Saúde Pública de Âmbito Internacional (ESPI).

Segundo Hernando Agudelo, o Governo de Angola, que partilha uma extensa fronteira com a RDCongo, tem já elaborado um Plano Nacional de Contingência onde se identificaram os diferentes pilares de uma resposta eventual ao surto.

"O Governo (angolano) está preparado, agora há algumas ações que ainda têm de ser feitas e estamos a trabalhar no sentido", frisou, referindo que a organização apoia as autoridades angolanas com "treinamentos para reconhecer a doença".

Relacionadas

Exclusivos