Sindicato diz-se contra a greve mas teve que acionar "bomba atómica"

Sindicato diz-se contra a greve mas teve que acionar "bomba atómica"

LUSA

O presidente do sindicato de motoristas de matérias perigosas assegurou à Lusa que o setor é contra a greve, forma de luta que consideram prejudicial para patrões e trabalhadores, mas, sem outra opção, tiveram que recorrer à "bomba atómica".

"Temos noção do que se passou e sempre dissemos, desde o início da constituição da associação que, posteriormente, deu início ao sindicato, que não somos a favor da greve. Até nos plenários costumávamos dizer [que é] a 'bomba atómica'", afirmou o presidente do Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), Francisco São Bento, em entrevista à Lusa.

Leia mais em Jornal de Notícias.

Relacionadas

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG