Professores avançam com cinco dias de greve e ameaçam com 60

Professores vão voltar à greve a 12 de dezembro

Professores vão voltar à greve a 12 de dezembro

O Sindicato Nacional de Professores (SINAPROF) anunciou hoje uma greve por cinco dias, a começar na quinta-feira da próxima semana. E ameaçam com mais 60 dias se o executivo de Aristides Gomes não

Os professores guineenses anunciaram esta quinta-feira, 5 de dezembro, uma nova greve que irá fechar as escolas públicas durante cinco dias, a começar na próxima quinta-feira.

Em causa está o incumprimento do caderno reivindicativo dos professores guineenses, com 18 pontos, entre os quais se destacam a aplicação efetva do Estatuto da Carreira Docente, pagamento de salários em atraso e desbloqueio de subsídios da carga horária, avançou o porta-voz do sindicato, Duarte Bungonha Sanha, citado pela Rádio Jovem.

"Vamos entregar o pré-aviso de greve na segunda-feira, e quinta-feira iniciaremos a paralisação das aulas por um período de 5 dias, e depois desses 5 dias, caso nada mude, vamos de novo entregar um outro pré-aviso de 60 dias, com início no dia 6 de janeiro de 2020", explicou Bungonha Sanhá.

Recorde-se que na abertura do ano letivo, a 16 de setembro, circulavam já rumores de novas possíveis greves de professores. Numa abertura de ano letivo atípica, em que o ministro da Educação, Dautarim da Costa ao mesmo tempo que abria o ano letivo 2019/2020 - que decorre até julho - declarava também o reinício das aulas para cerca de 30% dos alunos da escolas públicas que no ano letivo anterior foram afetados por sucessivas greves de professores.

Na conferência de imprensa desta quinta-feira, o porta-voz do sindicato reconheceu o papel das entidades religiosas guineenses na mediação do conflito entre a classe e o Executivo, que culminou mesmo com o levantar da greve marcada para 11 de novembro. No entanto, reforçou, os professores já perderam a confiança no executivo liderado por Aristides Gomes devido ao incumprimento dos acordos assinados entre as partes no sentido de verem atendidas as suas reivindicações.

Relacionadas

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG