Polícia investiga estupro, e criança com deficiência fica sem pais e Apae em MT

Na foto, jovem que foi abusada pelo irmão mais velho quando tinha 12 anos

Na foto, jovem que foi abusada pelo irmão mais velho quando tinha 12 anos

  |  Marlene Bergamo/Folhapress

Com sangue em fralda, garota foi afastada de família e da instituição onde ía diariamnete e está em abrigo.

Uma postagem no dia 19 de junho neutralizou qualquer outra discussão no grupo de WhatsApp Mães de Anjos BR, formado majoritariamente por mulheres cujos filhos nasceram com algum tipo de deficiência.

Havia sete dias, a filha de Juliana (nome fictício), 27, saíra de casa às 12h10, em Nova Mutum (MT), município de 43 mil habitantes a 238 km de Cuiabá, para não mais voltar.

Da última vez que a mãe a vira, a menina, que não anda nem fala, tinha 9 anos e era levada por monitores dentro do veículo da Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), responsável por transportar crianças em tratamento até a unidade da escola.

Leia mais em Folha de S. Paulo

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG