Militares brasileiros aplicaram multas de 32ME na região da Amazónia

Área desmatada na região de Altamira, no estado do Pará

Área desmatada na região de Altamira, no estado do Pará

  |  João Laet/AFP

O ministro da Defesa brasileiro fez na sexta-feira um balanço da atuação das Forças Armadas na Amazónia anunciando a aplicação de multas por crimes ambientais no valor de 141 milhões de reais (32 milhões de euros).

Segundo o ministro Fernando Azevedo e Silva, a Operação denominada "Verde Brasil", iniciada em agosto após os incêndio na Amazónia, resultou na aplicação de 352 autos de infração, que resultaram em 141 milhões de reais em multas.

Em conferência de imprensa com jornalistas locais, o governante frisou ainda que, de 24 de agosto a 24 de outubro, as ações apreenderam 23 milhões de metros cúbicosde madeira obtida ilegalmente, e desmembrou 45 acampamentos clandestinos.

Nesse mesmo período, foram combatidos 1.835 focos de incêndio por via terrestre e aérea.

Entre agosto e setembro, foi registada a redução de 16% dos fogos, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) brasileiro. Em relação aos números de outubro, apesar do mês ainda não ter terminado, o ministro garantiu que houve também uma diminução dos focos de incêndio.

"O número de queimadas começa a diminuir, face à nossa atuação nossa. Ainda falta acabar o ano, mas tende a ficar abaixo da média histórica", declarou Azevedo, citado pela agência Brasil.

Além do Ministério da Defesa com as Forças Armadas, a operação envovleu a Polícia Federal, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), assim como forças de segurança locais.

A Amazónia é a maior floresta tropical do mundo. Possui cerca de 5,5 milhões de quilómetros quadrados e inclui territórios do Brasil, Peru, Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e Guiana Francesa (pertencente à França).

Relacionadas

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG