Premium Linhas de Nazca no Peru: os intrigantes novos geoglifos descobertos com tecnologia de última geração

As novas linhas têm formas intrigantes que os cientistas ainda não conseguem explicar

As novas linhas têm formas intrigantes que os cientistas ainda não conseguem explicar

  |  BBC News Brasil/Universidad de Yamagata

Algumas têm formas humanas, de animais ou de plantas; outras são seres míticos, desconhecidos, que parecem frutos da imaginação.

Quase todas são uma espécie de mensagem da Terra para o cosmos, traços -como caligrafias desconhecidas- criados no passado para a eternidade.

As chamadas "Linhas de Nazca", localizadas em um deserto no centro-sul do Peru, continuam intrigando cientistas e visitantes, centenas de anos após sua criação. Algumas estão em perfeito estado, enquanto outras foram parcialmente apagadas pelos ventos, pela erosão e pela passagem do tempo.

Mas, agora, um grupo de especialistas japoneses encontrou, por meio de tecnologia de última geração, uma série de geoglifos desconhecidos até então. São mais de 140 formas que vão desde as já conhecidas, como macacos e cobras, até outras que surpreendem os cientistas, como a de uma figura humanoide com um bastão, cujo significado começará a ser estudado.

Segundo informou o comunicado da Universidade de Yamagata, que apoiou o estudo, acredita-se que os geoglifos encontrados foram criados entre os anos de 100 a.C. e 300 d.C., sendo que a maioria está em estado precário.

COMO FIZERAM O ESTUDO

A equipe de especialistas japoneses, liderada pelo arqueólogo Masato Sakai, partiu da análise de imagens de satélite de alta resolução tiradas do deserto, para depois realizar estudos de campo, entre 2016 e 2018, até identificar as novas linhas.

Com os dados obtidos e o processamento das imagens, realizaram projeções das figuras e descobriram 142 novas linhas, representando peixes, lhamas, macacos e aves. A partir daí, com os dados coletados, utilizaram técnicas de inteligência artificial (IA) para reconstruir algumas das formas, que não podiam ser definidas por métodos convencionais.

Foi assim que a iniciativa chegou à identificação de um geoglifo surpreendente: uma figura humana com um bastão. "O estudo explorou a viabilidade do potencial da inteligência artificial para descobrir novas linhas e introduziu a capacidade de processamento de grandes volumes de dados por meio de IA, incluindo fotos aéreas de alta resolução em alta velocidade", detalha o comunicado sobre a pesquisa.

O QUE OS CIENTISTAS ENCONTRARAM?

As figuras encontradas variam tanto em sua complexidade quanto em sua idade e tamanho. A maior entre elas mede mais de 100 metros de ponta a ponta - um pouco maior do que a Estátua da Liberdade -e a menor, apenas cinco metros, praticamente o mesmo tamanho da estátua de Davi, de Michelangelo.

Relacionadas

Exclusivos