Universidade da Cidade de Macau alarga rede

Em Coimbra, a delegação da Universidade da Cidade de Macau firmou um acordo com a Faculdade de Economia

A Universidade da Cidade de Macau (UCM) firmou um protocolo de cooperação com a Universidade de Coimbra e lançou bases para outros acordos com instituições de ensino superior de Portugal e Cabo Verde. Este foi o resultado de um périplo por oito universidades que teve lugar entre 21 de junho e 2 de julho, com vista ao reforço de laços com a Lusofonia. A UCM foi representada pelo Pró-reitor Ip Kuai Peng e por Francisco Leandro, director-adjunto do Instituto para a Investigação China - Países de Língua Portuguesa (IROPC).

O acordo com a Universidade de Coimbra (UC) aproxima o IROPC e a Faculdade de Economia da UC com vista à oferta de graus académicos conjuntos, trabalho de equipas de investigadores e intercâmbio de professores alunos. O primeiro projeto diz respeito à ligação entre o Curso de Formação Avançada "A China e os Países de Língua Portuguesa na Economia Mundial: Comércio, Turismo, Cooperação e Desenvolvimento", ministrado pela Faculdade de Economia.

Fruto desta missão, a UCM está a desenvolver igualmente novas parcerias com a Universidade de Aveiro, Lusófona do Porto, Instituto Universitário de Lisboa, Universidade de Cabo-Verde e Universidade de Santiago (também em Cabo Verde), segundo Francisco José Leandro.

Com a Universidade do Minho os laços já tinham sido criados e ainda este ano deverá ter início a troca de estudantes de doutoramento e mestrado, o mesmo podendo acontecer "em breve" com a Universidade de Cabo Verde, cuja construção do novo campus está a ser apoiada pela China.

A cooperação com a Universidade de Aveiro estará para conhecer novos desenvolvimentos com a vinda a Macau da Reitora da instituição, Paulo Jorge Ferreira, para uma visita à UCM. Francisco Leandro explica que o objetivo é criar "uma rede de parceiros institucionais nas áreas da investigação, leccionação, transferência de conhecimento e troca de experiências que traga para Macau um centro de competências ao mais alto nível, destinado ao apoio dos estudos pós-graduados". O próximo passo passa pelo alargamento da rede a São Tomé e Príncipe, inserindo-se numa estratégia de aproximação a países de língua portugesa insulares e compostso por arquipélagos onde também se inclui Timor-Leste e Cabo Verde.

O IROPC é o veículo da UCM para esta dinâmica de intercâmbio com instituições de ensino superior dos Países de Língua Portuguesa. Criado em 2017, o Instituto oferece um programa de mestrado e outro de doutoramento, tendo já um total de 118 alunos oriundos da China continental, Macau e Países de Língua Portuguesa.

Relacionadas

Exclusivos