Portugal e Cabo Verde apelam à continuação da solidariedade internacional

Os primeiros-ministros de Cabo Verde e de Portugal, respetivamente Ulisses Correia Silva e António Costa

Portugal e Cabo Verde apelaram neste sábado, na declaração conjunta assinada na V Cimeira bilateral, à comunidade internacional para que continue a reforçar o apoio a Moçambique, na sequência do ciclone Idai.

"Em plena solidariedade para com Moçambique, os chefes de Governo expressaram, na ocasião, o seu profundo pesar pelas vítimas do ciclone Idai, cujas consequências dramáticas se fazem ainda sentir, reiterando a sua profunda solidariedade para com o povo irmão moçambicano e a sua total disponibilidade para apoiar as respetivas autoridades. Apelaram, ainda, à comunidade internacional para que continue a reforçar o apoio a Moçambique", refere a declaração conjunta da reunião bilateral entre os Governos de Portugal e Cabo Verde, que hoje terminou em Lisboa.

Em Moçambique, o ciclone fez 602 mortos e 1.641 feridos e afetou mais de 1,5 milhões de pessoas, segundo o mais recente balanço.

Sobre outros temas internacionais, a declaração conjunta acordada entre os primeiros-ministros de Portugal e de Cabo Verde, António Costa e Ulisses Correia e Silva, saúda a realização de eleições legislativas na Guiné-Bissau em 10 de março de 2019, felicitando "a forma pacífica e empenhada como decorreu o escrutínio".

"Notaram que estas eleições, conjuntamente com as eleições presidenciais previstas para ainda este ano, constituem um marco decisivo na evolução democrática da Guiné-Bissau, dando início a um ciclo de estabilidade e de desenvolvimento sustentável", refere o texto.

A declaração conjunta defende, em matéria de segurança marítima no Golfo da Guiné, "que a cooperação entre os dois países deve continuar a ser reforçada, registando com agrado os progressos já alcançados na implementação do Centro Multinacional de Coordenação Marítima (CMC) da Zona G, em Cabo Verde".

Na V Cimeira Portugal-Cabo Verde os dois países assinaram 10 acordos de cooperação para o financiamento de projetos nas áreas da educação, saúde, administração pública, justiça ou administração interna.

Os dois governos fizeram ainda o balanço da execução do Programa de Cooperação Estratégica Portugal-Cabo Verde 2017-2021, assinado há dois anos na cidade da Praia, com um pacote financeiro na ordem dos 120 milhões de euros.

Relacionadas

Exclusivos