FAO estima em 30 mil o número de afetados pela insegurança alimentar

Graziano da Silva revê em baixa número de pessoas afetadas

O diretor geral da FAO, José Graziano da Silva, estimou hoje em cerca de 30 mil as pessoas cuja segurança alimentar será afetada pela seca em Cabo Verde.

"Tínhamos uma projeção que entre 150 [mil] e 200 mil pessoas seriam afetadas na sua segurança alimentar, mas felizmente isso não ocorreu. Os números que temos hoje são muito menores. Estamos a fazer uma avaliação agora, mas diria que nem um quinto dessa população está sob ameaça. Estamos a falar em volta de 30 mil pessoas, que é uma ordem de magnitude que estamos acostumados a trabalhar na região do Sahel", disse José Graziano da Silva.

O diretor geral da Organização para a Alimentação e Agricultura (FAO, na sigla em inglês) falava aos jornalistas, na cidade da Praia, à margem de uma cerimónia em que foi condecorado com a Medalha de Mérito da República de Cabo Verde pelo chefe de Estado cabo-verdiano, Jorge Carlos Fonseca.

Cabo Verde foi incluido pela FAO na lista de países que poderia vir a precisar de ajuda alimentar de emergência, devido aos efeitos da seca e do mau ano agrícola que assolou o país em 2017, medida que Graziano da Silva adiantou ter sido de prevenção.

Relacionadas