Erradicar malária em São Tomé com mosquito geneticamente modificado

Responsáveis da Universidade da Califórnia apresentaram ao Governo de São Tomé e Príncipe uma nova fórmula para a erradicação do paludismo baseada na introdução no país de um mosquito geneticamente modificado.

Num 'workshop' hoje realizado na capital são-tomense, peritos da universidade norte-americana defenderam a introdução, no arquipélago, de um mosquito geneticamente modificado como solução mais sustentável de combate à doença.

"O que a Universidade da Califórnia está a propor é uma abordagem inovadora para o controlo da malária em São Tomé e Príncipe e não só", disse aos jornalistas João Pinto, professor do Instituto de Higiene e Medicina Tropical (IHMT) da Universidade Nova de Lisboa, em Portugal, que está em São Tomé a colaborar com elementos da universidade norte-americana.

Segundo os especialistas, trata-se de "uma nova esperança" para, de forma sustentável e com baixo custo, erradicar totalmente o paludismo no país.

João Pinto explicou que a experiência é "baseada na modificação das populações dos mosquitos que transmitem o parasita do paludismo de modo a que eles deixem de transmitir esse parasita e, assim, eliminar de vez com a malária".

A primeira fase de estudo nos laboratórios determinou o sucesso na introdução de ADN no mosquito modificado, que bloqueia a 100 por cento a transmissão do parasita ao ser humano, referiu o professor do IHMT, sem avançar data para a introdução do teste em São Tomé.

"Ainda não existe previsões concretas. Para já o que se está a propor é uma colaboração com as autoridades de saúde de São Tomé de modo a que se possa fazer um estudo de dois anos para se avaliar a biologia e a ecologia da população dos mosquitos locais, para então tomarmos uma decisão se é ou não para avançar", acrescentou João Pinto.

São Tomé e Príncipe e Comores são ilhas que a Universidade da Califórnia acredita serem favoráveis para esse novo estudo que servirá de experiência para a eliminação total do paludismo em África.

O professor do IHMT salientou que "estudos preliminares já feitos são promissores e demonstram que as populações de mosquitos são suficientemente isoladas das populações do continente, o que é um dado favorável".

"A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que esses tipos de estratégias sejam iniciadas em populações de mosquitos suficientemente isoladas, pelo que existe esperança de que, de facto, as condições que nós vamos encontrar em São Tomé e Príncipe nos permite fazer um estudo que não só contribua para a resolução do problema da malária neste país, mas que sirva de exemplo que nos permita tirar conclusões sobre a possibilidade de aplicar esta nova estratégia no continente africano", explicou João Pinto.

Relacionadas

Exclusivos