Advogado vê evidências de ações clandestinas no caso do militar preso com coca

Manoel Rodrigues fazia parte da comitiva do presidente brasileiro na sua deslocação à reunião do G20 no Japão

Segundo o advogado, o objetivo seria "prejudicar a imagem do Brasil e do governo do presidente Jair Bolsonaro".

O advogado Carlos Alexandre Klomfahs, que defende o sargento da FAB Manuel Silva Rodrigues, preso com 39 kg de cocaína na Espanha, afirmou à Corregedoria do Ministério Público Militar brasileiro que há evidências de "ações clandestinas e sem autorização da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), para imputar crimes ao comissário de bordo".

Rodrigues, que é comissário de bordo, fazia parte da comitiva de 21 militares que acompanhava a viagem de Bolsonaro ao Japão, onde o presidente participou da reunião do G-20.

Leia mais em ISTOÉ

Relacionadas

Exclusivos