A pobre que chegou a Harvard ia dar um filme...mas o diploma dela é falso

Joana D'Arc

Saiu da pobreza e chegou à universidade mais conceituada do mundo. Até iam fazer um filme sobre a sua vida. Mas o percurso da Professora Joana D'Arc é mentira

Conhecida por protagonizar uma história de superação que interessou o cinema, ao ponto de haver planos para um filme sobre a sua vida, a Professora brasileira de ensino técnico Joana D"Arc Félix de Sousa, de 55 anos, declarou uma formação na Universidade de Harvard que não possui e usou um diploma falso na tentativa de confirmar a informação, noticiou na terça-feira o jornal Estado de S.Paulo.

Joana també declarava repetidamente em entrevistas e palestras que entrou na faculdade aos 14 anos, o que agora reconhece ser falso. Nascida no meio da pobreza no interior de São Paulo, Joana D'Arc apresentava uma história digna de Hollywood. Com muito esforço e trabalho árduo havia conseguido um pós-doutoramento na unviersidade mais conceituada do mundo, a norte-americana Harvard.

Nos últimos anos, a Professora recebeu dezenas de prémios e, no mês passado, a Globo Filmes divulgou a preparação de um filme sobre a sua biografia, que teria a atriz Taís Araujo como protagonista. A atriz, de 40 anos, e o realizador Alê Braga, já disseram publicamente que querem ouvir a versão da Professora. O filme ainda estava numa fase inicial e por isso ainda não tinham começado as pesquisas nas universidades-

O Estado entrevistou Joana pela primeira vez no fim de 2017. Na altura, ela afirmou ter morado por dois anos em Cambridge, onde fica Harvard, e ter voltado ao Brasil após a morte do pai.

A reportagem pediu documentos que demonstrassem o trabalho que havia sido feito nos Estados Unidos. Joana D'Arc enviou um diploma, datado de 1999, com o brasão de Harvard, o nome dela e o título de "Postdoctoral in Organic Chemistry" (pós-doutorada em Química Orgânica). O Estado de S.Paulo enviou o documento para Harvard que, ao analisá-lo, informou que não emite diploma para pós-doutorados.Também alertou sobre um erro de grafia (estava escrito "oof", em vez de "of").

Há, ainda, duas assinaturas no diploma: uma delas é do professor emérito de Química em Harvard Richard Hadley Holm. Contactado, Holm respondeu por e-mail: "O certificado é falso. Essa não é a minha assinatura, eu não era o chefe de departamento naquela época. Eu nunca ouvi falar da professora Sousa".

A informação de pós-doutorada em Harvard consta no currículo de Joana na plataforma Lattes, o sistema oficial que reúne informações de académicos de todo o país. Joana trabalha como professora de Química na Escola Técnica Professor Carmelino Corrêa Júnir, em Franca, São Paulo, desde 1999. Segundo o seu currículo Lattes, ela teria acabado de sair de Harvard quando entrou por concurso público naquela escola.

Confrontada pelo Estado de S.Paulo sobre estas incongruências, Joana D'Arc admitiu que o diploma de Harvard foi feito para "encenação de teatro". ""Mas eu não concluí (o pós-doutorado), eu não tenho certificado", afirmou. O jornal brasileiro não conseguiu confirmar qualquer passagem de Joana D'Arc por Harvard.

Factos comprovados é que se licenciou, tirou mestrado e doutoramento na área de Química na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). As suas pesquisas envolvem produção de couro ecológico e a reprodução de pele humana artificial para transplante. Mas a maior parte dos prémios, palestradas ou entrevistas focam-se sobretudo na sua história de vida extraordinária, da pobre brasileira que chegou a Harvard. Uma história forjada.

Relacionadas

Exclusivos