DSEJ quer "cada vez mais talentos bilingues"

Lou Pak Sang

Lou Pak Sang

  |  DR

Lou Pak Sang descreve as várias medidas recentemente introduzidas pela Direção de Serviços de Educação e Juventude (DSEJ) para promover o ensino do português entre os mais jovens.

- O número de estudantes que escolhem aprender português está em crescimento. Que medidas tem a Direção dos Serviços de Educação e Juventude (DSEJ) em mente para manter esta tendência?

Lou Pak Sang (LPS) - O governo continuará a investir nesta área, na melhoria do nível de educação oferecido e na formação de professores, colaborando com países de língua portuguesa em várias áreas. Desta forma, a área do ensino de Português será reforçada e serão criados novos talentos bilingues. Para além de continuar a oferecer apoio a escolas em Macau com Língua Portuguesa incluída no seu currículo e criar uma base sólida para alunos desta língua, irá também, através do desenvolvimento de materiais de estudo e formação de professores, promover a presença da Língua Portuguesa nas escolas. A DSEJ está também a construir um centro de línguas em Seac Pai Van (no Lote CN6a) para promover o ensino de Português, Mandarim e Inglês, e através de atividades relacionadas com o dia-a-dia dos estudantes melhorar as suas capacidades linguísticas.

- O número de professores de português está a crescer exponencialmente, como é que a DSEJ garante a qualidade dos contratados?

LPS - De forma a melhorar o nível dos docentes nesta área, a DSEJ continua a cooperar continuamente com academias de ensino de Macau, organizando sessões de formação para professores de Português de qualquer nível. São ainda oferecidos materiais de ajuda ao ensino e a oportunidade de os mesmos estudarem em Portugal, em colaboração com instituições portuguesas de alto nível. A DSEJ tem também colaborado com estas mesmas instituições portuguesas para trazer peritos de ensino de Português para formações a professores em Macau.

- Neste momento existem 45 escolas em Macau que oferecem o ensino de Português. A DSEJ pretende alargar essa rede de escolas?

LPS - A DSEJ dá grande importância ao desenvolvimento das competências de Português dos seus alunos, sendo por isso o objetivo de muitas das suas medidas criar cada vez mais talentos bilingues. Outro é promover o desenvolvimento do ensino de Português através de um sistema de educação formal, vários materiais de estudo escrito, e por último com a formação de professores desta disciplina. Através do financiamento de projetos para a introdução da Língua Portuguesa em mais currículos, cada vez mais escolas serão incentivadas a oferecer estudos nesta área.

- Que motivos levam a que haja um interesse crescente pela aprendizagem do português em Macau?

LPS - O governo de Macau tem continuamente valorizado recursos humanos com competências bilingues, e por isso órgãos de educação superior e não superior procuram continuar a desenvolver o ensino da língua portuguesa através das mais variadas medidas, a curto, médio e longo prazo. O ensino desta língua também tem sido continuamente promovido em escolas públicas, assim como em escolas privadas, com o envio de professores para as mesmas sem quaisquer custos, e apoiando a criação de currículos nesta área através de subsídios do fundo para a educação. Para além de educação formal, as escolas luso-chinesas em Macau há muito que oferecem cursos intensivos de português para anos do básico e do secundário. Macau conta já com uma longa história de integração da cultura chinesa e portuguesa, por isso, à medida que a cidade assume cada vez mais a sua posição como "Um Centro, Uma Plataforma, vai-se também transformando numa "月base de formação de quadros qualificados da língua portuguesa na região da Ásia-Pacífico.

- Qual o papel estratégico da língua portuguesa dentro da Área da Grande Baía?

LPS - A língua portuguesa tem contribuído para o diálogo transcultural em Macau ao longo de séculos, e é por essa razão uma chave importante para promover a cooperação entre a China e países de Língua Portuguesa. O facto de Macau estar inserido na política Um País, Dois Sistemas" e as suas características únicas, juntamente com a estratégia Um Centro, Uma Plataforma", irá encorajar outras cidades da Grande Baía a expandir-se a mercados internacionais. Esta expansão irá também atrair mais pessoas para a região, e ajudar na sua construção.

Relacionadas

Exclusivos