Donald Trump orgulhoso da ajuda norte-americana a Porto Rico após furacão 'Maria'

A porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders

A porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders

  |  EPA

O Presidente dos Estados Unidos continua orgulhoso do trabalho empreendido pelos norte-americanos para ajudar os porto-riquenhos após a passagem do furacão Maria, em setembro de 2017, disse nesta terça-feira a porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders.

A porta-voz da Casa Branca declarou terça-feira, num comunicado, que Donald Trump "continua orgulhoso de todo o trabalho que a 'família' Federal empreendeu para ajudar os nossos concidadãos em Porto Rico".

Estas declarações foram divulgadas após o governador de Porto Rico, Ricardo Rosselló, elevar o balanço oficial de mortos na ilha pelo furacão Maria de 64 para 2.975, após um novo estudo encomendado pelo Governo porto-riquenho, segundo o qual as mortes provocadas pela tempestade foram severamente subestimadas.

O estudo foi divulgado nesta terça-feira pelas autoridades de Porto Rico, um estado livre associado dos Estados Unidos.

Sarah Huckabee Sanders também afirmou que o Governo Federal dos Estados Unidos "continuarão a apoiar" os esforços de prestação de contas do governador Ricardo Rosselló e disse ainda que "o povo americano, incluindo aqueles que sofrem com a perda de um ente querido, não merece menos".

A porta-voz indicou ainda que os vários furacões consecutivos que ocorreram no ano passado provocaram "a maior missão de resposta a desastres domésticos da história".

O furacão Maria, de categoria quatro, terá deixado mais mortos do que o furacão Katrina, que devastou em 2005 Nova Orleãs, nos Estados Unidos, e que causou mais de 1.880 mortes.

Mais de 80% das famílias em Porto Rico não tiveram acesso à rede elétrica durante os últimos três meses de 2017 e esta situação só foi totalmente resolvida já este ano.

Inicialmente, apesar da insistência constante de académicos e outras organizações de que o número real de mortos era muito mais alto do que o inicialmente estimado, o facto é que tanto as autoridades da ilha quanto o Governo Federal em Washington repetidamente reduziram a intensidade das consequências da devastação do furacão.

O Governo de Porto Rico já havia dado um primeiro passo este mês para esclarecer esta questão polémica do número de mortos ao notificar, por carta, o Congresso norte-americano de um outro relatório sobre a recuperação da ilha após o furacão, que incluía um número atualizado de 1427 mortes.

Em outubro, durante uma visita a Porto Rico o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que a passagem do furacão Maria não havia sido "uma verdadeira catástrofe" como a do furacão Katrina, destacando o baixo número de vítimas mortais (na altura, 64 era o número oficial de mortos).

Mesmo assim, Trump alertou que o orçamento federal ficará "desfasado" como resultado dos danos sérios e da necessidade de financiamento para a reconstrução de infraestrutura e serviços básicos na ilha.

Relacionadas

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG