Da porta do bordel até à porta da igreja, a incrível história do roubo da joia da Bolívia

A joia foi usada pelo presidente da Bolívia, Evo Morales, numa cerimónia em janeiro.

A joia foi usada pelo presidente da Bolívia, Evo Morales, numa cerimónia em janeiro.

A joai da República boliviana, uma medalha presidencial de valor incalculável, viveu "a aventura da sua vida" ao, em cerca de 24 horas, ter sido roubada em frente a um bordel e ter sido recuperada em frente a uma igreja.

Tudo começou na tarde de terça-feira, quando o tenente das Forças Armadas da Bolívia Roberto Juan de Dios Ortiz perdeu o avião em que deveria ter transportado a medalha de ouro e diamantes até à cidade de Cochabamba, para que na quarta-feira pudesse ser usada numa cerimónia oficial pelo presidente do país, Evo Morales.

O militar, que trabalha para o Palácio do Governo da Bolívia, decidiu passar ao fim do dia por uma zona de prostíbulos, perto de aeroporto de El Alto, uma cidade vizinha de La Paz, para fazer tempo até ao voo seguinte.

Leia mais em:Diário de Notícias

Exclusivos