Cuba denunciada por "escravatura" de médicos no estrangeiro, incluindo em Portugal

Médicos cubanos a participarem num rastreio à população em VIla Real de Santo António, em setembro de

Médicos cubanos a participarem num rastreio à população em VIla Real de Santo António, em setembro de 2013

Denúncia no Tribunal penal Internacional diz que o país "exportou" diversos trabalhadores ao abrigo de protocolos de cooperação, nomeadamente com Portugal, violando vários dos seus direitos

O Tribunal Penal Internacional (TPI), com sede em Haia, na Holanda, confirmou nesta segunda-feira a receção de uma denúncia contra vários dirigentes cubanos, incluindo Raúl Castro e o atual presidente Miguel Díaz-Canel, por alegada "escravatura" de trabalhadores enviados para o estrangeiro ao abrigo de "missões de internacionalização". A notícia é avançada pelo diário espanhol ABC. Em causa está, sobretudo o envio desde 2002 de profissionais, sobretudo médicos, para diferentes países, Portugal incluído, no âmbito de projetos de cooperação que, de acordo com os denunciantes, terão servido sobretudo para encher os cofres do Estado cubano.

De acordo com o ABC, além de os profissionais em causa receberem apenas "entre 10% e 25%" dos vencimentos acordados com o país de destino, ficando o remanescente para o Estado cubano, eram sujeitos a outras violações dos seus direitos, como a proibição de conduzir, o controlo de pernoitas ou a vigilância eletrónica.

Leia mais em Diário de Notícias

Relacionadas

Exclusivos