Premium A paz chegou mas os hotéis de Manica continuam vazios

bandeira de Moçambique

bandeira de Moçambique

  |  DR

Ao fim de dois anos de tréguas e com a paz a consolidar-se, o movimento nos hotéis do centro de Moçambique continua abaixo das expectativas dos empresários

Quartos vazios, ausência de reuniões empresariais, de investidores e fraca presença de turistas nacionais e estrangeiros em vários hotéis da capital provincial, Chimoio, são o cenário comum.

"Esta semana temos apenas três clientes", disse à Lusa um funcionário do Inter Chimoio, um dos maiores hotéis da cidade, descrevendo uma diminuição da ocupação naquele estabelecimento nos últimos anos.

"Está tudo silencioso", precisou à Lusa uma funcionaria do Pink Papaya, uma casa de hóspedes numa zona de elite, sustentando que o movimento de clientes nos últimos tempos é o mais baixo de que têm registo.

"Até perguntámos aos [hotéis] de Vilankulos", junto às praias da província de Inhambane, "se há movimento, mas é a mesma coisa", disse.

Neste período do ano, referiu, geralmente cresce o número de reservas, algo "que não se nota. Há uma variação difícil de descrever".

Ana Meireles, operadora de hotelaria em Chimoio, disse que o setor tem atravessado momentos difíceis pela queda nos números de ocupação, vaticinando que a situação pode estar relacionada com a crise financeira ou a falta de consolidação da paz.

A circulação até Chimoio foi largamente limitada entre 2014 e 2016, devido a confrontos militares entre o Governo moçambicano e o braço armado do principal partido da oposição, a Resistência Nacional Moçambicana (Renamo).

Circular na Estrada Nacional 6 (EN6), principal via de ligação de Chimoio ao resto do país, significa ser um potencial alvo de ataques, ou implicava conduzir integrado numa coluna militar - e até os comboios foram alvo.

A situação mudou desde final de 2016: a Renamo anunciou tréguas sem prazo, as negociações de paz ganharam novo fôlego e não tornou a haver registo de confrontos - aliás, a EN6 voltou a ser um movimentado corredor entre a cidade da Beira, no litoral, e o Zimbabué.

"A circulação de pessoas tem sido boa nestes dois anos da paz", afirmou à Lusa Ana Meireles, salientando, no entanto, que "isso não mudou o ambiente de negócios", havendo várias iniciativas de investimento paralisadas.

"A hotelaria cresceu muito em infraestruturas e qualidade nos últimos cinco a sete anos, em Chimoio, com novos investimentos e muito boa oferta", frisou, adiantando que, ao contrário do que se esperava, "há um recuo indisfarçável nas taxas de ocupação".

Um outro responsável hoteleiro, Ricardino Baptista, nota que há sempre oscilações ao longo do ano.

"Há sempre oscilações na taxa de ocupação dos hotéis e residenciais, é um ritmo ao qual estamos habituados", disse Baptista, reconhecendo, contudo, que a variação dos últimos anos "é desconfortável para o setor".

Em declarações à Lusa, Samuel Guizado, presidente do Conselho Provincial empresarial de Manica, disse que o ambiente de negócio e as perspetivas de investimento na província são encorajadoras.

Vários programas "estão em curso" para incentivar novos investimentos, sublinhou.

"Pensamos que estamos num ritmo aceitável", no que respeita à melhoria do ambiente de negócios, disse aquele responsável, insistindo em que há várias intenções de investimento, mas reconhecendo que estão por se concretizar em vários setores empresariais na província de Manica

Relacionadas

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG