A cada 5 segundos o mundo perde um campo de futebol de terra

Agricultores nas Filipinas combatem o uso excessivo dos solos

Agricultores nas Filipinas combatem o uso excessivo dos solos

  |  Pnud Filipinas

Ao ritmo atual da erosão, mais de 90% de todos os solos do planeta poderão estar degradados até 2050, alertam as Nações Unidas

Estes foram dos factos e números que as Nações Unidas destacaram esta quinta-feira para assinalar o Dia Mundial do Solo. O tema da campanha deste ano é: "Pare a erosão do solo, salve o nosso futuro".

Segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura, FAO, "à medida que a população da Terra continua a expandir-se, este é um problema crescente."

Com a campanha, a agência pretende envolver pessoas, governos e organizações de todo o mundo na proteção deste recurso. Segundo a FAO, "a fertilidade do solo continuará a ser afetada de forma negativa num ritmo alarmante, ameaçando a cadeia global de alimentos e a segurança alimentar."

Causas e combate

Vento, chuva e agricultura industrial aceleram a erosão do solo mas a ONU diz que os seus efeitos podem ser reduzidos antes que o mundo enfrente perdas calamitosas de produtividade agrícola e funções importantes de vários ecossistemas.

Atividades como a lavoura, a monocultura, o pastoreio, a expansão urbana, o desmatamento e atividades industriais e de mineração podem cortar pela metade o rendimento dos solos.

A cobertura vegetal dos solos, incluindo arbustos, árvores e outros, pode reduzir a erosão do vento em mais de 80%, segundo a ONU. Também pode aumentar a capacidade de absorção de água, reduzindo a compactação do solo e impedindo a criação de ravinas que impedem o trabalho agrícola. Práticas reduzidas de agricultura ou plantio direto também são eficazes, especialmente em regiões mais secas.

Na Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, a meta de número 15 estabelece o objetivo de deter e reverter a degradação da terra.

O Dia Mundial do Solo foi aprovado pela Assembleia Geral em 2013 e marcado, pela primeira vez, em 2014.

Relacionadas

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG