"Simões Pereira é esperto e eu sou inteligente", diz Sissoco Embaló

Sissoco Embaló em campanha na primeira volta das presidenciais guineenses

Sissoco Embaló em campanha na primeira volta das presidenciais guineenses

  |  André Kosters-Lusa

Umaro Sissoco Embaló, candidato à segunda volta das presidenciais da Guiné-Bissau, marcadas para domingo, afirmou hoje que a diferença que existe entre si e Domingos Simões Pereira é que ele é inteligente e o seu adversário esperto.

Sissoco Embaló pediu aos guineenses para assistirem ao debate televisivo que os dois candidatos vão ter na quinta-feira, em Bissau, para descobrirem "mais diferenças" na forma de presidir e desenvolver a Guiné-Bissau.

O major-general aproveitou o comício popular realizado em Bafatá para desferir ataques ao seu adversário, que disse ter hipotecado a Guiné-Bissau para se eleger Presidente, mas sublinhou que isso não vai acontecer "porque o povo já acordou".

O candidato, apoiado pelo Movimento para a Alternância Democrática (Madem-G15), afirmou também que Domingos Simões Pereira e o Governo liderado por Aristides Gomes gastaram "cerca de 20 milhões de dólares" na campanha eleitoral, quando os salários dos funcionários públicos não são pagos.

"Nem a Nigéria nem Portugal gastam tanto dinheiro em campanha eleitoral", observou.

O candidato acusou ainda o primeiro-ministro, Aristides Gomes, de ter impedido a ida à Guiné-Bissau do "homem mais rico da Arábia Saudita", o magnata Bin Talal, com receio que influencie a sua vitória eleitoral.

Na abertura da campanha para a segunda volta, no passado dia 13, Embaló prometeu que um magnata saudita iria a Bissau no dia 26, para levar medicamentos e um cheque visado de um bilião de dólares para oferecer à Guiné-Bissau.

O cheque seria entregue após a sua eleição para o cargo de Presidente guineense.

"Não fiquem preocupados, pois esse meu amigo virá à Guiné em janeiro quando eu for empossado Presidente", prometeu Sissoco Embaló, que disse estar confiante na sua eleição "com mais de 80 por cento" dos votos.

Embaló apenas afirmou estar triste por constatar que o seu adversário, Domingos Simões Pereira, apoiado pelo Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), obteve cerca de 20 mil votos na primeira volta em Bafatá, o que pediu para não se repetir na votação do próximo domingo.

Mais de 760.000 guineenses são chamados às urnas no domingo para escolher o próximo Presidente da Guiné-Bissau entre Domingos Simões Pereira, apoiado pelo PAIGC, e Umaro Sissoco Embaló, apoiado pelo Madem-G15.

Relacionadas

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG