"Se continuar nesse ritmo, Bolsonaro não se reelege"

De volta ao jogo, o ex-ministro Gustavo Bebianno confessa: quer distância de Bolsonaro

De volta ao jogo, o ex-ministro Gustavo Bebianno confessa: quer distância de Bolsonaro

Primeiro-ministro demitido do governo, Gustavo Bebianno abre o verbo em entrevista à ISTOÉ. Para ele, a intromissão excessiva dos filhos e a maneira com que o presidente expõe seus aliados podem minar o projeto de reeleição.

O ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência, o advogado Gustavo Bebianno, 55 anos, era mais do que um braço direito de Jair Bolsonaro. Privava da intimidade do presidente. Gabava-se de ser o guardião dos segredos mais recônditos do mandatário do País - até ser o primeiro defenestrado do governo em meio à crise deflagrada pelo filho número dois do presidente, Carlos Bolsonaro. Hoje, a partir de um olhar mais distante, mas não menos acurado, Bebianno nota que a execração pública de auxiliares até então da confiança do ex-capitão tornou-se um método presidencial perigoso. Capaz não só de desalentar a tropa, como também de levar o governo à ruína pelos próprios erros. Para ele, a demissão de generais e a maneira como elas foram levadas a cabo, como o caso de Santos Cruz, já gerou uma fissura com o meio militar. "Se continuar nesse ritmo, Bolsonaro não se reelege", vaticina.

Bebianno significa relativo ou pertencente à Bebiana, antiga região da Etrúria, na Itália. Não por acaso, o sangue italiano do ex-ministro ferve quando ele discorre sobre os desatinos cometidos por um governo que ainda principia. "Nunca vi um governo que, no terceiro mês, tivesse tantos desgastes políticos", avaliou Bebianno. O pára-raios que matava no peito todas as bombas que cairiam no colo do presidente, segundo sua própria definição, atribui parcela significativa dos problemas aos rebentos do presidente. Para ele, nem os filhos do Lula e da Dilma atrapalharam tanto. Ele lamenta que, por influência dos herdeiros de Bolsonaro e de Olavo de Carvalho, o governo esteja sendo conduzido de forma ideológica, em detrimento de decisões técnicas e necessárias para a retomada do País, na mesma proporção com que despreza aliados, como o presidente da Câmara. "Rodrigo Maia é uma pessoa bem mais jovem do que o presidente, mas vem mostrando um equilíbrio bem maior".

Leia mais em ISTOÉ.

Relacionadas

Exclusivos