Portugal rejeita acusação "infundada" de ingerência na Guiné-Bissau

Portugal rejeita acusação  "infundada" de ingerência na Guiné-Bissau

António Cotrim/Lusa

O ministro dos Negócios Estrangeiros português não vê nenhuma razão para não estar formado um governo na Guiné Bissau, três meses depois das legislativas

Augusto Santos Silva, ministro dos Negócios Estrangeiros português, considerou hoje "absolutamente infundada" a acusação de ingerência nos assuntos internos da Guiné-Bissau, sublinhando que a preocupação de Portugal com a demora na indigitação de um primeiro-ministro é partilhada pela comunidade internacional.

O ministro reagiu assim à posição recente do partido guineense Movimento para a Alternância Democrática da Guiné-Bissau (Madem-G15), que apelou às autoridades portuguesas e angolanas para se absterem de se "ingerir" nos assuntos internos do país.

Santos Silva afirmou que Portugal não se ingere "nos assuntos seja de quem for", limitando-se a exprimir uma preocupação legítima que, de resto, é partilhada por UE, União Africana (UA) e restante comunidade internacional.

"A nosso ver, não há nenhuma razão para que, mais de três meses depois das eleições legislativas, não esteja formado um Governo na Guiné-Bissau, porque o Presidente da República da Guiné-Bissau ainda não indigitou o primeiro-ministro", apontou, acrescentando que "este facto é tanto mais preocupante quando o Presidente da República da Guiné-Bissau acabará o seu mandato no dia 23 de junho, portanto daqui a uma semana, é necessário realizar as novas eleições presidenciais ainda este ano de 2019, elas devem ser convocadas e ainda não foram convocadas".

Augusto Santos Silva argumentou que a situação na Guiné-Bissau naturalmente "interessa" a Portugal, enumerando três razões fundamentais: por a Guiné-Bissau ser "um país irmão", havendo muitos portugueses a viver na Guiné-Bissau e muitos guineenses a viver em Portugal, porque a Guiné-Bissau é membro da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), "que tem sido chamada, e bem, a apoiar a estabilização" no país ao longo dos últimos anos, e, por fim, porque Portugal tem "um programa de cooperação, que neste momento está num nível de realização que poderia ser muito maior, assim houvesse um Governo em plenitude de funções".

Relacionadas

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG