Polícia britânica anuncia inquérito a agressão a secretária

Teresa Cheng

Teresa Cheng

  |  DR

A polícia britânica anunciou hoje que abriu um inquérito à agressão de uma secretária de Hong Kong em Londres, durante uma altercação com apoiantes do movimento pró-democracia da antiga colónia britânica.

O incidente, ocorrido na quinta-feira ao final do dia, suscitou duras críticas da China, que acusou o Reino Unido de "deitar achas na fogueira" em Hong Kong e exigiu uma investigação imediata dos factos.

"A polícia está a investigar uma suposta agressão ocorrida ontem [quinta-feira] por volta das 17:05" [mesma hora em Lisboa], anunciou a polícia de Londres num comunicado.

O texto precisa que "uma mulher foi transportada ao hospital devido a ferimentos num braço", mas não confirma a identidade da secretária da Justiça de Hong Kong, Teresa Cheng.

"Até ao momento" não foi feita qualquer detenção, disse ainda a polícia.

Teresa Cheng dirigia-se para uma conferência no Chartered Institute of Arbitrators (CIAbr), uma instituição especializada na arbitragem de conflitos internacionais, quando foi cercada por manifestantes.

Vídeos mostram a ministra cair ao chão, sem se perceber se foi empurrada ou se desequilibrou, e pouco depois levantar-se e afastar-se escoltada por seguranças. "A senhora Cheng foi agredida pela multidão quando se preparava para entrar no nosso edifício", afirmou o CIAbr num comunicado, precisando que a ministra "sofreu um ferimento num braço".

A conferência foi cancelada devido ao incidente.

A China denunciou "uma agressão bárbara" e exigiu que o Reino Unido garanta "a segurança e a dignidade de todos os funcionários chineses".

Teresa Cheng é um dos membros mais impopulares do governo de Hong Kong e é nomeadamente considerada uma das principais impulsionadoras do projeto de lei sobre extradição para a China, na origem dos protestos que desde junho se realizam na antiga colónia britânica.

A chefe do Executivo de Hong Kong, Carrie Lam, condenou hoje a "agressão bárbara", que "violou os princípios de uma sociedade civilizada", e afirmou que a secretária ficou "gravemente ferida", apelando à polícia britânica que investigue.

Em resposta, a diplomacia chinesa culpou as autoridades britânicas pelo incidente.

"Há algum tempo que alguns políticos britânicos misturam o verdadeiro e o falso, obscurecendo atos violentos e ilegais em Hong Kong e mantendo contacto direto com manifestantes anti-China", acusou Geng.

"Se o Reino Unido não mudar o seu comportamento e continuar a atirar gasolina para o fogo, semeando a discórdia e incitando (a desordem), vai pagar as consequências", ameaçou o porta-voz de Pequim.

Relacionadas

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG