Chefe do Governo de Macau em Lisboa e Porto para garantir "mais consensos com Portugal"

O chefe do Governo de Macau disse à Lusa que a deslocação a Lisboa e ao Porto serve para garantir "mais consensos", sobretudo após as recentes visitas oficiais dos Presidentes chinês e português, a Portugal e à China, respetivamente.

O chefe do Governo de Macau inicia no sábado uma visita oficial que se prolonga até 19 de maio, na qual estão agendadas reuniões com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o primeiro-ministro, António Costa.

"Esta visita da delegação da RAEM [Região Administrativa Especial de Macau] a Portugal, tem como objetivo dar continuidade, inovar e reforçar a relação amigável de cooperação entre ambos, em prol de mais resultados frutíferos para a cooperação, impulsionando profundamente o futuro desenvolvimento, contribuindo para o desenvolvimento mútuo e outras parcerias", afirmou Fernando Chui Sai On, em entrevista exclusiva por escrito à Lusa.

"Esperamos alcançar ainda mais consensos com Portugal, complementar as vantagens mútuas e também promover o desenvolvimento conjunto, aproveitando (...) o papel de Macau para reforçar, acelerar e fazer da melhor forma os trabalhos", adiantou.

O papel de Macau, enquanto plataforma estratégica da China nas relações com Portugal, como porta de entrada para a Europa, e os países lusófonos, para assegurar os mercados africanos e na América Latina, é salientado pelo chefe do Governo que termina este ano o seu mandato, que se estendeu por uma década.

"O que nos deixa mais felizes e satisfeitos, é sermos um fator importante nas relações sino-portuguesas e desempenhar bem as nossas funções no desenvolvimento da plataforma de serviços para a cooperação comercial entre a China e os países de língua portuguesa", sintetizou o governante.

Chui Sai On sublinhou que "desde o estabelecimento das relações diplomáticas entre a China e Portugal [assinala-se em 2019 o 40.º aniversário], a cooperação tem vindo a aumentar, assim como as áreas têm sido cada vez mais alargadas, e para além das relações económicas, também o intercâmbio e cooperação têm sido reforçadas, de forma continuada, no âmbito da cultura, arte, educação, desporto".

É por essa razão que, "atualmente, a China e Portugal elevaram a sua relação a uma importante parceria estratégica de cooperação, cujas características singulares e fundamentais da relação bilateral são: proeminente importância estratégica, complementaridade de interesses elevada e complementaridade económica forte", assinalou.

Chui Sai On lidera uma delegação do Governo da Região Administrativa Especial de Macau (RAEM) durante uma visita que vai passar por Lisboa e pelo Porto.

O líder de Macau vai presidir à sexta reunião da Comissão Mista Macau-Portugal com o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

O Governo de Macau vai ainda organizar, em Lisboa, uma exposição fotográfica para comemorar o 20.º aniversário do estabelecimento da RAEM, que se assinala este ano.

Ainda em Lisboa, o mesmo responsável vai participar num debate com estudantes de Macau que frequentam o ensino superior em Portugal.

Chui Sai On vai assinar ainda com a Câmara Municipal do Porto "um memorando de entendimento para o quadro de cooperação na promoção de amizade", informaram as autoridades do território administrado pela China.

Após a assinatura, o chefe do Executivo vai receber as Chaves da Cidade.

Após mais de 400 anos sob administração portuguesa, Macau passou a ser uma Região Administrativa Especial da China a 20 de dezembro de 1999, com um elevado grau de autonomia acordado durante um período de 50 anos.

Relacionadas

Exclusivos