Ideia de que todos os chineses condenam protestos é falsa

Manifestantes protestam em frente à sede da polícia de Hong Kong .

Manifestantes protestam em frente à sede da polícia de Hong Kong .

  |  Anthony Kwan / Getty Images

Uma académica que analisou reações nas redes sociais chinesas sobre os protestos em Hong Kong detetou tentativas de racionalizar o debate e até manifestações de apoio, apesar da censura exercida por Pequim.

"Muitos chineses do continente tentam constantemente desafiar a censura e muitos, que hesitam em expressar-se, optam por fazer 'gosto' ou 'aprovar' mensagens que expressam ideias divergentes", disse à agência Lusa ​​​​​​​Zhao Qianqi, investigadora no Centro de Estudos Chineses Fairbank, da universidade norte-americana de Harvard.

Após semanas a analisar comentários na rede social Weibo, o Twitter chinês, Zhao afirmou que, ao invés de encontrar uma "antipatia uniforme" em relação aos manifestantes, deparou-se com um conjunto de opiniões que vão da "admiração ao desdém, confusão ou até indiferença".

Zhao Qianqi defendeu existirem também opiniões pluralistas e um debate racional a decorrer no continente chinês, que vai além da perceção criada pelo ruído nas redes sociais, e que pode constituir um problema para Pequim.

"Há quem tenha tentado disseminar artigos informativos e de qualidade" ou livros sobre a História e política de Hong Kong nas redes sociais chinesas, mas que foram, entretanto, censurados, apontou.

Um ensaio do professor da Universidade Chinesa de Hong Kong Chow Po-chung sobre a campanha de desinformação lançada pela imprensa estatal, tem sido repetidamente reproduzido por utilizadores do Weibo, apesar de acabar sempre por ser apagado, exemplificou. Zhao indicou que o título do ensaio é: "Aos amigos do continente: também estamos a lutar pela vossa liberdade".

"É importante olhar para os pormenores", afirmou a académica, defendendo que a impressão de que os chineses do continente aderiram em massa à retórica "hipernacionalista" e pró-governamental é resultado de uma combinação entre "censura e opressão política".

"Qualquer pessoa que tenha uma visão diferente daquela que é expressa na imprensa estatal não ousa falar", disse, num contacto telefónico a partir de Pequim.

E se a censura permite que a narrativa oficial seja dominante, o uso de internautas pagos para fazer comentários pró-Governo, conhecidos como 'wumao' ('50 cêntimos', em chinês), torna-a ainda mais potente, observou Zhao.

Atores e artistas do continente, muitos dos quais obtiveram já residência nos Estados Unidos ou Canadá - uma tendência crescente entre as classes mais abastadas da China - têm repetido também a retórica nacionalista do Governo.

"Mas essa é apenas a linha que lhes é imposta", indicou a académica.

Inicialmente, as autoridades chinesas optaram por censurar qualquer informação sobre os protestos, que decorrem há quase quatro meses, mas acabaram por lançar uma intensa campanha mediática, que retrata os manifestantes como mercenários ao serviço de forças externas.

A cobertura diária na imprensa chinesa mostra imagens de manifestantes a atirar tijolos, a provocar a polícia e a cercar esquadras.

Os manifestantes são descritos como "radicais" e "bandidos", os polícias como "heróis", sendo omitidas imagens de alegados abusos pelas autoridades de Hong Kong.

O Governo central tem também sublinhado a unidade nacional contra esta alegada ameaça: "Os 1.400 milhões de chineses estão unidos como uma barreira", defendeu o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês.

As redes sociais chinesas foram, entretanto, inundadas de insultos aos manifestantes em Hong Kong e mensagens de apoio a uma intervenção militar na antiga colónia britânica.

Nos campus universitários na Austrália, Canada ou Nova Zelândia, estudantes chineses organizaram manifestações nacionalistas que, em alguns casos, terminaram em confrontos violentos com manifestantes pró-Hong Kong.

No país mais populoso do mundo, com cerca de 1.400 milhões de habitantes, vários órgãos de comunicação ou portais estrangeiros, incluindo as redes sociais Facebook, Twitter ou Instagram, estão banidos da rede doméstica chinesa.

Hong Kong vive um clima de contestação social desencadeado pela apresentação de uma proposta de alteração à lei da extradição, que permitiria ao Governo e aos tribunais da região administrativa especial a extradição de suspeitos de crimes para jurisdições sem acordos prévios, como é o caso da China continental.

Inicialmente suspensa pela chefe do Executivo da região administrativa especial chinesa, Carrie Lam, a proposta foi já retirada, em resposta a uma exigência dos manifestantes.

Os protestos têm vindo a denunciar aquilo que os manifestantes afirmam ser uma "erosão das liberdades" em Hong Kong, exigindo a demissão de Lam, e a eleição de um sucessor por sufrágio universal direto, e não nomeado pelo Governo central.

O Twitter e Facebook anunciaram já a suspensão de milhares de contas originárias do continente chinês, que "deliberada e especificamente tentavam semear a discórdia política em Hong Kong, inclusive minando a legitimidade e as posições políticas dos manifestantes".

As empresas afirmaram que suspenderam as contas com base em "evidências confiáveis" de que se tratava de uma "operação coordenada pelo Estado".

Relacionadas

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG